Mostrando postagens com marcador Relatos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Relatos. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 30 de julho de 2013

Relato: Descobri a Real depois de casado.


Meu nome é Luiz Felipe, tenho 25 anos e sou casado, eu conheci a Real em Janeiro de 2013.

Esse é meu relato de como A Real mudou e está mudando minha vida.


Casei cedo, com 20 anos, estava namorando há 2 anos e achei que ela era a garota certa, claro, nesta época eu era completamente preso a matrix. Para mim uma mulher tinha que ser adorada, cultuada, amada incondicionalmente, coisa que aprendi com mamãe.

Durante nosso namoro tivemos altos e baixos, ela era uma pessoa muito especial e me apoiava, com incentivo dela, passei a morar sozinho, para ficar mais próximo da Faculdade e do trabalho, e ela vinha toda semana para arrumar meu “apertamento alugado”. Também sempre aparecia com comidinha gostosa e até lavar minhas roupas ela já lavou, tudo isso, enquanto namorávamos. Ela foi minha primeira mulher, minha primeira transa, e céus, como transavamos! Era todo dia, toda hora, em todos os lugares, quando ainda morava com meus pais, transavamos na sala, no banheiro, até na varanda, com aquele clima de medo por meus pais pegar a gente. Acreditem, nada nesta vida é mais prazeroso do que acordar com uma garota te chupando. Ela, toda ninfetinha de deixava louco, minha única mulher até hoje.

Gastava todo meu dinheiro com ela, com passeios, viagens, parques, cinema, até fomos para a Argentina comemorar nosso segundo ano juntos. Tirando o aluguel, não sobrava nada, a faculdade era meu pai que bancava.

Mas tudo tem o outro lado, ela era temperamental, quando explodia ela ia de um extremo ao outro, não tinha meio termo, ou ela era um anjo, ou um demônio, as brigas tinham até agressões físicas, claro nunca encostei um dedo nela, mas sempre apanhei, até tapa na cara, os motivos variavam muito, mas pode incluir ciúmes na lista.

Eu sempre agi como manda a regra: Faça de tudo pela sua garota. E fiz, quando brigava dava presentes caros, implorava de joelhos para ela não terminar comigo, dizia que ela era tudo e que sem ela eu iria me matar etc... já fiquei na frente da casa dela a noite, ao relento, em pleno inverno até ela vir falar comigo na manhã seguinte. Comprei uma TV cara na época quando tivemos outra briga, ou seja, um matrixiano, eu achava que tinha que provar meu amor por ela.

Então chegou o ápice, quando brigamos em plena rua e eu falando que iria provar que amava ela, me joguei na frente de um carro que estava a uns 60km/h, fraturei costelas e quebre as duas pernas, passei quase um mês no hospital.

Tirando as brigas, ela era uma garota caseira, não tinha muitos amigos e ficava mais em casa, comportamento que já era de costume, os pais dela viviam a chamando de “bicho do mato”.

Apesar dos pesares, nos casamos e fomos morar junto, eu sustentava a casa e ela, embora fosse bom ela trabalhar, eu não exigia isso, então logo ela perdeu o emprego e não entrou em outro, meu salário continuou dando conta da casa. O sexo diminuiu drasticamente, não lembro como era, mas não era mais todo dia, não tinha mais oral matutino, e quando transavamos, era só uma vez por noite, embora ainda continuasse bom e de qualidade.

As brigas continuavam, mas desde o acidente, ela disse que ia mudar e de fato, pouco a pouco ela mudou, a raiva dela durante as brigas, assim como as agressões, foi substituída por um desanimo, ela falava em terminar etc.. e eu sempre fazendo juras de amor e falando que ia mudar implorava para ela ficar comigo.

E assim vivemos durante um bom tempo, 4 anos, entre brigas e paz. Ela continuou caseira, e uma boa dona de casa, além disso gostava das coisas que eu gosto, como videogames por exemplo, jogávamos play juntos direto, até comprei outro PC para jogarmos pela internet.

Em dezembro-janeiro começou a visita de um amigo dela em casa, um amigay, era filho da antiga babá dela, um menino bem mais novo e completamente gay, só que ele vinha e ficava falando dos macho pra quem ele dava, eu que não gostava disso ficava de cara fechada, mas não comentava nada.

Então algo começou a ficar suspeito, eles agora iam para outro cômodo para conversar, ficavam falando baixinho e o amigay ficava todo de risos, comecei a ficar com a pulga atrás da orelha, quando ela começou ir na casa desse amigay para ver a antiga babá dela.

Então um dia recebi uma ligação de uma moça, que não reconheci a voz, ela só falou e depois desligou quando eu perguntei mais coisas, na verdade fiquei tão perturbado que nem consegui perguntar muita coisa, o que a moça disse foi simples: “Sua esposa está te traindo com um cara, na casa daquele menino que vai ai na sua casa”. E DEU NOMES!

Brigamos feio, ela disse que era desculpa, falou que era coisa de gente invejosa que queria separar a gente, que só estava indo lá para ver a babá dela. Contudo fiquei tão puto, que eu pressionei mais e ela acabou falando que uma vez em que disse que tinha ido lá, havia ido em um barzinho conhecer o namorado do amigay dela e que eles só beberam uma coca conversaram e voltaram, não teve nada de mais. Descobri que ela tinha o cara no Facebook, e EXIGI ver o face dela, ela não tinha nenhuma conversa gravada dela (deletadas possívelmente) mas para piorar, vi várias conversas dela com o ex-namorado de colégio, do cara implorando para ela voltar para ele e ela jogando ele da friendzone, porra pra que ficar falando com ex quando ela já está casada!?

Bem... eu resolvi acreditar, mesmo que não completamente, mas foi ai que eu fiz o que todo nerd faz, pesquisei no Google sobre traição, indícios como saber essas coisas... achei o “Metendo a Real” e depois este fórum “Mundo Realista” e assim descobri a real.

Primeiramente achei vocês todos playboizinhos de merda, cafagestes, virjões frustrados. Mas então eu vi o “Padrão”, que tudo o que estavam falando aqui, condizia com a verdade, com minha experiência de vida, tudo batia. Existe os mais hardcore e existe aqueles que batem mais com minha visão, como o Doutrinador por exemplo, e caras, acredito que homem chora sim, pois nestes dois dias que passei lendo A Real, eu chorei, chorei de desgosto, de raiva, tremia de ver QUÃO idiota eu fui em minha vida inteira, queria voltar no tempo e fazer tudo diferente, e principalmente por descobrir que a minha felicidade não estava em uma mulher, mas em mim. E que todas as regras, estavam operando em meu casamento.

Tivemos outra briga, ainda sobre aquele assunto do amigay, e agora motivado pela raiva inicial ao descobrir “A Real”. Eu falei CHEGA! Pela primeira vez em quase 5 anos juntos eu falei que ia terminar tudo, e pedir o divórcio. Cara, ela não levou a sério, então movido pela raiva eu até cheguei a começar a arrumar as coisas, mas naquela noite outra coisa nunca vista aconteceu, ela pela PRIMEIRA VEZ EM QUASE 5 ANOS pediu para eu ficar, para não separar. Caras, isso nunca aconteceu antes, sério, a real funcionou ali como uma faca. A partir do momento em que eu comecei a me dar o valor, a coisa mudou.

Já faz 7 meses desde que descobri a Real, nunca mais ninguém mais falou de separar, só aconteceu uma vez só depois daquele dia, e eu falei que era para ela decidir de uma vez e parar de enrolação, ai ela murchou e parou de conversinha. As brigas maneiraram um pouco, mas quando acontecem, ela não fala mais em separação.
Tudo isso tem um porém, o Sexo virou mito, só uma vez por mês, sim amigos, só uma vez por mês, como sou bem atarefado e esquecido eu não estava percebendo, visto que já fazia anos que o sexo era escasso, mas resolvi marcar cada transada no calendário e faz três meses que transo com minha esposa uma vez por mês. Acho que seu eu fosse outro cara qualquer, já tinha dado um pé na bunda dela, ou traído. Confesso que já pensei em GP, mas não é do meu caráter, eu acho que é melhor eu acabar de vez do que começar a ir para a palhaçada, mas caras, ta difícil, tirando a menstruação de 20 dias, ela sempre inventa uma desculpa.

Estou dando um gelo nela já faz alguns dias, mas nada ainda, estou tentando reverter o quadro, usando aquele esquema de gratificação, mas confesso, ainda estou na matrix, eu sei disso, eu devia era acabar com isso de vez, mas é mais fácil falar do que fazer, continuo lendo tudo o que vocês escrevem quando posso, não dá para ler muito pois faço isso no serviço, em casa não dá, acho que seria desastroso se ela lesse isso. Eu acho ela uma boa garota, ela não é feminista e é contra esses movimentos feminista além disso cuida da casa, mas estamos nos tornando amigos em vez de marido e mulher. Vou seguir o plano e ver se algo muda, afinal ela já mudou bastante, mas se não mudar eu não tenho escolha, para mim não existe casamento sem sexo, meu corpo pede.

Bem, esta é minha lição de vida que eu deixo para vocês como uma amostra que a Real funciona e está ai na cara de todo mundo, mas poucos vêem. Obrigado amigos, pois sem vocês, hoje eu nem sei mais se estaria vivo.



P.S: Eu sei que ainda estou na Matrix, mas acho que já dei o primeiro passo, que é assumir, não é assim com os drogados?

terça-feira, 23 de julho de 2013

Para refletir


Por Terrível



E ai confrades beleza? bom estava aqui lendo uns tópicos no fórum e me veio uma lembrança na cabeça e resolvi compartilhar com vocês.

Quando tinhas uns 16 anos resolvi trabalhar na empresa da família, la tem uma mulher vou chamar de juliana que tinha 25 na época se não me engano, bom passado um tempo de empresa já tinha 18 anos comecei um relacionamento com uma novinha e resolvi conversar com ela eis que juliana me solta a perola.

- Terrivel namorar e legal e muito bom ter alguém pra passar o tempo junto só se lembre de uma coisa, NÃO CONFIE EM MULHER NENHUMA, guarde isso na sua cabeça...

bom ela era noiva nessa época, passou uns meses ela se casou e eu sai da empresa, fui trabalhar na área que estudava. Acredito que 1 ano depois mais ou menos ela me chamou pra um social na casa dela, iria estar ela, a irma dela, uma amiga do trabalho, os maridos e eu de abeia... 

cheguei la só estavam as mulheres os maridões foram jogar bola e chegariam depois, começamos a beber e não preciso dizer que começou as putarias, só falavam besteira... elas sempre me bajulavam muito quando trabalhava na empresa, eis que a juliana me solta outra perola.

- Nossa terrivel você esta cada vez mais lindo, academia ta dando resultado hem pena que sou casada, OLHA VOCÊ DEVIA TER DADO MAIS ENCIMA DE MIM QUANDO ERA SO NAMORADA DO "FULANO" QUEM SABE NÃO TINHA ROLADO ALGO E EU TE ENSINAVA ALGUMAS COISAS, MAIS AGORA EU TO CASADA NE E NÃO PODE...

falei 

- olha estar casada sinceramente não muda nada, compromisso agente tem desde o namoro isso não existe, eu não dava encima de você mais por que meu pai me ensinou uma coisa que levo muito a serio... "dinheiro, carro e mulher são três coisas que se for de outro homem não mecha"

bom fica ai pra galera dar uma pensada e comentar...

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Vadias tentam pagar taxista com boquete e se dão mal

Por Conde de Monte Cristo



Caros Confrades da Real.

Hoje no meu trabalho estava conversando com um dos taxistas que trabalham num ponto próximo daqui e ele me contou uma história de um outro colega dele que eu fiz questão de postar aqui.

Segundo ele me contou, na sexta feira agora ele pegou uma corrida com três garotas. Elas eram bem gostosas e com jeitão de piriguetes. Entraram no carro, falaram o destino e seguiram viagem.

Quando chegaram ao destino o taxista informou o valor marcado no taxímetro, que era de R$ 50,00. Começaram a fuçar as bolsas, procura daqui, dali e informaram ao taxista que só tinham R$ 20,00, disseram que saíram com pressa e esqueceram o dinheiro. 

O taxista em questão eu o conheço bem, um tiozão paraibano estilo rústico, sério, fala grosso e mal encarado. 

Daí ao ser informado de que elas não tinham todo o dinheiro ele ficou puto da cara com elas, começou a esbravejar e tal. A que estava na frente tentou acalmá-lo e no alto da discussão tentou dar uma solução ao caso:

"Olha, nós não temos todo o dinheiro mas que tal resolvermos isso de outra forma, heim? A gente pode dar uma volta e eu te faço um agrado gostoso..."

Ele respondeu:

"Como assim, que merda é essa de agrado? Fala o papo reto aí, porra!"

Ela:

"Ain, eu posso, sei lá, te fazer uma chupeta e ficamos quites..."

Ele:

"Chupeta é o caralho sua filha da puta! Eu quero dinheiro, chupeta não paga minhas contas. Se eu quisesse isso não estava aqui trabalhando, eu tava no puteiro. Toma vergonha nessa sua cara, sua rapariga! Bora, se vira, eu quero meu dinheiro!"

Como ele viu que elas fizeram pouco caso e a discussão já tinha chamado a atenção de quem passava ali ele foi numa base comunitária ali perto e chamou os policiais. Lhes contou o ocorrido, elas tentaram justificar, começou uma troca de xingamentos e se encaminharam à delegacia.

Chegando lá o delegado ao ouvir toda a história deu o veredicto: elas teriam que pagar o valor da corrida.

Detalhe, ele mandou um dos policiais ir ao carro do taxista ver o valor que estava marcando no taxímetro até ali. Valor: R$ 120,00!! Então ao policial dizer o valor ele determinou que elas lhe pagasse sob pena de ele lhes dar voz de prisão e serem detidas em flagrante por estelionato. Ela ficaram putas, revoltadas mas como viram que o caldo engrossou para elas, resolveram ligar para um parente de uma delas pedindo que trouxesse o dinheiro.

O tal parente trouxe o dinheiro, pagou e todos foram embora.

Moral da história:

*As vadias acham que qualquer imbecil cai nesse golpe de puta delas. Fazem tudo de graça e/ou a baixo custo a troco de chupetas e acha que sempre vão se dar bem. SE FODERAM !!

*O outro lado disso. Se elas tem o costume de dar esse golpe é porque a grande maioria dos caras que elas aplicam são manginões paus no cú que vendem seus serviços árduos por migalhas sexuais, por meras chupetinhas. Ou seja, os manginões sustentam essa merda toda que elas e muitas outras por aí fazem. Malditos manginas!! :facepalm: :fuckyou:

quarta-feira, 17 de julho de 2013

[Relato] Cortando a palhaçada

Relato do Donni Yen, comentado pelo White Jaws



Fala confrades. Vou contar uma parada que aconteceu. Faz tempo que não faço relato...

Certo dia tive uma discussão com a professora na faculdade sobre casamento gay, conceito de família e e outras coisas similares. Inclusive cheguei a relatar essa discussão uma vez. Sendo que no final dela, uma mulher veio puxando assunto comigo dizendo que concordava com as coisas que eu tinha falado e acabou pegando meu Facebook. A partir da primeira conversa pude notar que ela estava afim de mim. Ficamos umas 2 semanas conversando e nos encontrando na faculdade. Resolvi chamá-la pra sair. Ocorreu tudo bem e ficamos. Ela até então, durante esse período mostrou ser uma boa mulher(é católica, inclusive), mas sempre ficava com o pé atrás. Íamos nos encontrando na faculdade, saíamos de vez em quando e tudo ia caminhando. Achava até que poderia talvez namorar com ela, mas preferi deixar isso de lado e ver como as coisas iam ser conforme o tempo fosse passando.

Passou um tempo e fui notando que havia algo de errado. Cheguei a chamá-la pra sair umas 2x e ela deu desculpas. Passou mais um tempo e ela veio me mandando uma mensagem dizendo que precisaríamos conversar pessoalmente. A partir daí vi que a relação iria acabar. Ela acabou que não disse nada pessoalmente(nem cheguei a encontrá-la pessoalmente) e resolveu falar pelo Facebook mesmo. Disse que tinha medo de arriscar o relacionamento adiante comigo e só disse incertezas pra me deixar confuso, só que não cai na jogada dela. Disse pra ela fazer o que achar melhor, que a vida é dela e ela faz o que quiser e que eu iria seguir a minha vida. Ela ficou surpresa com o que eu falei e no dia seguinte me convidou pra uma festa dizendo que queria muito me ver. Aceitei o convite.

Depois de alguns dias ela começou a postar putaria no facebook. Primeiro começou a postar foto de Neymar, falando que é tudo de bom, isso e aquilo; depois faz um post com os homens mais bonitos do Facebook dela tentando mostrar que não é interesseira; e terceiro fez um post falando da consulta médica dela e que o médico era lindo, maravilhoso, etc.

Fiquei só na minha esperando o dia da festa. Ela chegou a puxar assunto comigo, mas dei uma cortada uma vez e na outra ignorei.

Chegado o dia da festa, achei que seria hora de falar o que tinha que falar. Era uma festa junina na casa de uma amiga dela. Tinha bastante gente. Aproveitei pra comer e achei melhor deixar pra falar quando fosse sair, ainda mais porque a mãe dela tava lá. Ao chegar no ponto com ela disse que precisava ter uma conversa séria com ela. Na hora ela gelou e conforme eu ia falando ela segurava o choro. Resumindo o que eu falei:

Acho que não vale a pena continuar com uma pessoa que não sabe dar valor, que age como uma garota de 15 anos postando bobagens em Facebook. Eu vou falar a verdade, gostei de você e Deus sabe muito bem disso. Só que não quero mais perder meu tempo com incertezas. Vou pra casa, vou fazer as minhas coisas e seguir minha vida.

No dia seguinte ela vai e me manda o seguinte. Se tiverem estômago pra ler:


Donnie,
Queria lhe dizer o quanto tudo isso me deixou mal..
Eu só sei me expressar escrevendo...
Todo mundo diz e vc tb pensa da forma que, 
a gente deve ficar com alguém para cultivar o amor, mas
eu realmente nunca vou conseguir fazer isso...
Se é furada se apaixonar antes e depois ficar com a pessoa,
vou continuar quebrando a cara...
Mas eu prefiro me magoar, eu me arriscar..
A fazer o contrário e magoar outra pessoa.
Eu não consigo me perdoar de ter errado com vc.
Pq a minha adolescencia inteira e vida inteira eu tive cuidado
para não fazer isso. Eu sempre esperava me apaixonar perdidamente
como em um filme para depois tentar alguma coisa...
Ficava meses, anos sozinha pq eu esperava a batida especial no coração.
Mas eu sempre ouvia o contrário, que nao se deve esperar por isso, e que se deve
tentar, como vc tb me disse, mas pra mim já vi que não funciona...
Espero poder continuar conversando com vc, estudando com vc,
e os meus amigos católicos gostaria que fossem seus tb...
E mais uma vez eu queria que vc acreditasse em mim
que eu não postei a foto do Neymar pra implicar, provocar...
Apenas estava em clima de copa das confederações..
é horrível quando alguém deduz coisas sobre você que não é verdade.
Seus amigos usaram a dedução do mundo, das meninas que se encontram no mundo
e são assim. E eu não sou do mundo, tb nao sou perfeita, eu ando mancando pelo caminho, 
mas nao saio do caminho.....
Assim como no início do ano cansei de postar fotos do Thiago Fragoso 
por causa da novela "Lado a lado", pois o personagem dele era romântico como
toda moça gostaria... 
Talvez quando eu namorar alguém não deva fazer isso.
Mas eu de coração nunca vi mal nisso. 
Bom era isso, ontem foi horrível pra conseguir dormir..
Ahhh Minha mãe gostou muito de vc..
Mas tudo o que eu disse foi sincero, eu adorei te conhecer mesmo, e vc é tão livro sim...
Muito livro mesmo... Bjos fique com Deus



Falei pra ela que não gosto de ficar de amizade ou conversando com ex. Ela ficou muito puta.

Ela chegou até ligar pra mim dias depois; falei normalmente com ela, até porque não vejo motivo pra mostrar raiva por causa dessas coisas ou ficar de ignorância com a pessoa. 

Enfim, é isso. Mulher que começa a ficar de putaria e não dá valor, tem mais é que largar pra lá.







COMENTÁRIO


A fêmea atual é uma máquina de contradições e mentiras são programadas culturalmente para não serem monogâmicas e fiéis a valores cristãos, e muito menos a um macho, excetuando-se os alfas é claro, este é o padrão vigente. As fêmeas se escondem por detrás de todas as ideologias conforme as conveniências. 

Ela admirou o confrade por ele ter contestado a professora, a autoridade na sala de aula, e isso gerou atração.Não sei se o confrade comeu, mas se comerem a fêmea façam tudo o que elas não querem, essas vadias dizem não querendo dizer sim, comam o rabo, façam elas engolirem porra,e a foda tem que surgir no máximo até o terceiro encontro.

Essa fêmea do relato viu na religiosidade do confrade uma maneira de manipula-lo e ficar jogando, e o confrade sincero e honesto projetou nela um romance, isso é proibido depois da real. Perfil de fêmea que já deve ter rodado na pica de alguns cafinhas inesqueciveis, uma doida em busca de emoções, sado masoquistas.

O escudo de muitas vadias é a religião, acreditem em Deus, mas não em fêmeas. O texto dela é uma confissão baseada no sentimentalismo romântico onde deve haver a figura de um alfa (fotos de destacados) e emoções geradas pela submissão e dificuldade da conquista,ela correndo atrás, infelizmente confrade você não preencheu os requisitos até o presente momento. Essas postagens de fotos e a fiscalização do confrade no facebook e o questionamento disso soaram para ela como confirmação de apego, (guerra das paixões de N.A).

Mas que merda você foi fazer na festa? Você deveria ter chamado ela para o seu território, você já sabia que estava melando mas “ esperança “ é a última que morre, as contradições e ambiguidades dos jogos femininos servem para ativar isso no macho, é um imã. Aproveite o ginásio psicológico. Enfim você deu o ultimato e no texto ela te chamou de LIVRO vou traduzir: “ fácil de ser lido e previsível” e tem mais : Se é furada se apaixonar antes e depois ficar com a pessoa, vou continuar quebrando a cara... Mas eu prefiro me magoar, eu me arriscar.. A fazer o contrário e magoar outra pessoa... Para ela isso é uma vitória, um cara que a mereceu perder porque na cabeça dela você está apaixonado e apaixonamento para fêmea é sinônimo de fraqueza ou de jogo ganho que não gera emoções e dificuldade.

As fêmeas são simples: quando elas estão disponíveis e acessíveis abrindo as pernas é que estão se subordinando e respeitando o macho, muito jogo e mi mi mi é que não querem nada com você, apenas submetê-lo emocionalmente e muitas vezes nem dando muito sexo ou até nenhum. O cara que é sincero e tem bons valores está fudido no mundo das vadias, pensar em namoro é algo proibido porque isso gera ilusões românticas e apaixonamento ou até atos de perseguição que fazem a fêmea interpretar dessa forma; pensem em sexo, ou em fodas temporárias é para isso que elas servem, o resto é acessório e detalhe, sejam objetivos no esvaziamento das bolas e ignorem o contexto e jogos delas, muitas são imprestáveis e desonestas perdidas em seus romances doentios e fetichistas. (Leituras recomendadas: Guerra das Paixões N.A e The Truth: Os Bonzinhos). 

Não duvido que ela volte a provoca-lo para saber se está apegado...(muitas adoram saber que existe um cara que sofre por elas e que tal sentimento deve ser alimentado, uma continuidade do desejo que as sádicas/masoquistas cultivam).

domingo, 14 de julho de 2013

Favelados provocam acidente pra impressionar mulheres

Por Autentico



Fala, galera!
Vou contar algo ESCROTO que aconteceu semana passada no trampo.

Bom, trabalho num "eficiente e inovador" sistema de transporte "TOP" do RJ.
E as empresas do consórcio têm carros como esse.

Imagem

Esses carros eu os chamo de "limousine de pobre", pois carrega as piores raças de gente que vocês possam imaginar. Roubam os martelos de emergência, vomitam dentro dos carros sem a menor vergonha quando estão com o rabo cheio de cachaça, e ainda por cima muitos ali são favelados barraqueiros, e quando ficam putos com o atraso dos carros, costumam abrir os braços pra mim.
Fico pensando se esse pessoal que fica abrindo braço pra mim, ou vai levantar voo, ou tá imitando o Cristo Redentor.
Imagem 

Um conselho pra galera que anda de transporte público: NUNCA abra os braços pra motoristas quando você achar que ele realmente não vá parar, porque aí que ele não para mesmo. No meio rodoviário, esse é um dos maiores desaforos que se têm noção.

Voltando ao relato, os carros da empresa que eu trabalho, possuem aqueles pinos de abertura de portas em caso de emergência(pois os carros da empresa do outro consórcio não os têm, já que só o motorista tem controle da abertura de emergência das portas).

Quando esse pino é acionado, o chamado "sistema de portas" TRAVA as rodas do carro independentemente da velocidade do mesmo. Logo, se ele estiver a 80 KM e vir um vagabundo puxar de sacanagem, morre todo mundo.

Pois bem, um dos carros estava subindo a calha exclusiva, quando de lá da Plataforma eu ouço o cantar dos pneus. E foi o que eu imaginei.3 favelados filhos da puta puxaram os pinos que acionava o sistema de portas. ou seja: eles TRAVARAM as rodas do carro, cujo mesmo deu um solavanco que machucou 3 mulheres dentro do carro. Chamei os policiais que estavam de plantão no dia para irem averiguar a situação. E na plataforma, a fila estava assim:
Imagem

Todos que estava na traseira foram parar na parte da frente, e duas das 3 mulheres que se machucaram foram parar no hospital.
Os favelados insistentemente disseram que não foram eles quem puxaram o pino, mas foram todos desmentidos por quem estava na traseira do carro junto com eles. Se fizeram de vítima, um deles chegou até a chorar. todos os três trabalhavam no Guanabara.
Imagem
Sendo assim, foram TODOS(o motorista e os três favelados) pra delegacia prestar esclarecimentos. No decorrer desse tempo, o motorista tava me contando que dos 3, DOIS TÊM PASSAGEM NA POLÍCIA. Um por assalto a mão armada(157) e outro por receptação(180). E ainda me disse o porquê deles terem puxado o pino..

Pra impressionar "as mina" que tavam com eles... VTNC
Quer dizer que os caras provocam um acidente que poderia ter matado muita gente ali, pra impressionar "as mina"? Puta que pariu, não entendi essa...
"Olha só mina, olha com'eu sou foda. Vou puxar o pino das portas pra te impressionar"...

Caralho, eu se fosse alguém daquele pessoal, enchia a cara desses meliantes de porrada...

comentem ae

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Meu Relato

Por Wrathchild7



reBem, acho que meu relato vai ficar um pouco longo, mas aí vai.

Até 2011 eu nunca havia gostado de menina alguma, na verdade eu tinha uma visão de que amor daquele tipo romântico de filmes não existia, achava que iria viver minha vida sem conseguir gostar de ninguém e eu estava muito bem com isso. Porém, em 2011, no meu segundo ano do ensino médio, uma menina que já era amiga de um amigo meu, começou a estudar na minha sala(vou usar o nome fictício de Bruna). Achei ela bem bonita na época e como ao contrário de meus amigos eu nunca tinha sido de botar mulher bonita num pedestal, um dia quando sentei perto dela, comecei a puxar assunto. Bem simpática, bem fácil de conversar, sem frescuras que outras meninas tem(coisa que me dá raiva é aquele tipo de mulher afrescalhada), gosto musical e outros interesses parecidos com os meus, eu acabei começando a criar um interesse por ela, achando que ela era diferente das demais e única.

No início foi tudo beleza, fazia tudo normal, de vez em quando ela aparecia na minha mente, mas não afetava em nada minha vida. Mas aí, quanto mais eu conversava com ela, mais eu passei a achar que ela era única e diferente e comecei a pensar que talvez amor romântico existisse e todas essas bobagens que vem na mente dos matrixianos. Eu idiota, acabei falando a uma amiga minha que eu estava gostando de Bruna e a melhor amiga de Bruna(essa amiga dela é a maior empata foda do universo) ouviu e depois eu descobri que no mesmo dia Bruna já tava sabendo. E depois dessa confissão, eu só passei a obcecar cada vez mais sobre ela, contei a meu grupo de melhores amigos, um deles que já era amigo dela há muito tempo, começou a me ajudar, chamando eu e ela pra ir almoçar com ele depois da escola, aí ele inventava uma desculpa e deixava a gente sozinho durante um tempo. E tudo ia bem comigo e ela, ela realmente demonstrava gostar de mim, tanto que meus amigos todos falavam pra eu tentar, que ela tava a fim, etc e talz. 

Mas aí, do nada, ela começou a meio que me ignorar, quando eu puxava assunto, ela acabava a conversa rápido ou dizia que tava ocupada jogando no ipod. E como ela morava perto da escola, chegava bem mais cedo que eu, antes ela sentava perto de mim pois eu chegava mais tarde, mas aí, ela passou a sentar bem na frente, sendo que todos os lugares na frente geralmente estavam ocupados quando chegavam. Aí o idiota aqui começou a ficar desesperado por atenção dela(dá raiva só de lembrar minhas atitudes), eu comprava bala todo dia só pra oferecer pra ela no intuito de começar uma conversa, passei a acordar todo dia 5 da manhã pra poder pegar ônibus pra chegar na escola cedo pra sentar perto dela e conversar com ela, também comecei a chamar ela toda vez que eu ia lanchar e dividia minha comida com ela e às vezes com a empata foda amiga dela só pra ser agradável. 

E nisso, ela me dando migalhas de atenção, lembro que ela dava muito mais atenção pra qualquer outra pessoa que fosse conversar com ela do que pra mim. Passei a ficar deprimido, comia pouco, nem jogava meus jogos, ficava sem estudar, nos finais de semana eu não saia mais com amigos tanto, ficava na cama, tentando dormir pra o fds passar mais rápido e eu encontrar ela na segunda.

Então vieram as férias de meio de ano, normalmente eu viajo pra Salvador sempre, ficando na casa de minha madrinha, dessa vez eu não fui, na esperança de poder sair com ela, mas ela viajou pra São Paulo. Fiquei na solidão do meu quarto, saindo somente de vez em quando, e meus amigos me falando pra esquecer dela, mas ela já estava na minha cabeça como a menina da minha vida. 

Começou o segundo semestre, continuava tudo a mesma coisa, eu puxava saco dela, tentava agradar, dei uma pulseira daquelas da mormai pra ela, ajudava ela nas matérias de humanas que eu sou bom, etc etc.

Até que então, alguma coisa em mim começou a despertar, eu comecei a me tocar do quão ridícula era a situação que eu estava, eu sempre tinha sido bem orgulhoso e não gostava de seguir ordens de qualquer um, comecei a querer dar um fim nisso, e decidi que iria tentar ficar com ela. 

Então, em Setembro, num festival de festas cover que tem aqui onde eu moro (Aracaju), eu fui com dois amigos, iria encontrar ela lá. Lá, tava todo mundo curtindo a música e tal, eu tava decidido, mas tinha muito medo pois ainda a idealizava como mulher da minha vida, lembro que ela reclamou de estar com frio, eu emprestei uma camisa xadrez que eu usava com uma preta por baixo pra ela e logo depois de um tempo, quando consegui ficar a sós com ela, tentei. Ela veio com aquele papo de que só me via como amigo, blah blah blah, friendzone, blah blah blah, ''txi adogo como meu amigo(amigay sem bolas ela deve ter pensado)''. Depois, meu amigo viu ela se agarrando com um cara que ela tinha dito que era só amigo dela!!!!!! Aí eu fiquei de boa nos segundos iniciais, mas depois que a realidade caiu que a suposta menina da minha vida tinha me rejeitado, comecei a chorar num canto escondido, fui pra casa andando lá pras 3 da manhã( a distância é considerável), cheguei em casa e chorei até cair no sono. Passei uns dias extremamente deprimido, sem falar com ela e tudo, mas aí ela começou a vir falar comigo como se nada tivesse acontecido(detalhe, ela ainda tava com minha camisa na casa dela, sendo que ela se agarrou com o outro cara usando ela). Eu otário, masoquista, idiota comecei a ficar amiguinho dela de novo, ela passou a me dar mais atenção e eu tava voltando a achar que tinha chances, etc etc etc.

Mas então, BAM! Nessahan Alita! 

Um amigo meu, que estava mais ou menos na mesma situação que eu, conheceu a Real e me mostrou o livro que ele havia imprimido, o como lidar com as mulheres. Li aquilo no mesmo dia e passei a acessar o Homens Honrados, parecia que quanto mais eu lia aquilo, mais verdades atingiam minha mente e mais raiva eu ficava de mim mesmo por ter me permitido chegar a esse ponto que eu estava. E foi exatamente isso que me ajudou a superar, raiva, comecei a voltar ao que eu era antes, bem foda-se, meio frio, comecei a sair com meus amigos como antes, a conversar de boas com outras pessoas, a estudar(minhas notas tinham sido péssimas o ano todo, fiquei de recuperação em várias), a jogar, a ocupar minha mente e logo então eu percebi que eu não fazia questão alguma dela, logo então o ano acabou e eu estava completamente, 100% bem. 

Minha família então me arranjou pra eu fazer um intercâmbio em 2012, fui pro estado americano de Wisconsin, lá eu tive a prova da natureza das mulheres. Nesse estado, há muita descendencia alemã e do norte e leste da europa em geral, assim muitas meninas lá eram naturalmente loiras, olhos azuis, traços finos, tinha muita menina que aqui seriam consideradas tops mas lá eram apenas normais. E eu, sendo diferente dos outros caras(não sou tão bonito mas não sou feio) nos traços físicos, chamava atenção, fiquei com várias meninas da minha escola sem quase qualquer esforço, e lá sexo também era muito fácil, meninas lá pagavam boquetes até em lugares públicos contanto que fosse meio escondido. Meus amigos de lá passaram a me chamar pra clubes de dança, não queria ir antes, por que odeio música eletrônica, mas depois que eu fui, esses clubes são como os bailes funk do Rio, a dança é grinding, que é basicamente você ficar encoxando a menina e ela esfregando a bunda em seu pau, gurias gatas e fáceis nesses lugares, recomendo. 

Então, lá nos EUA, isso tudo me fez virar um monstro da auto-confiança, eu já era o mais corajoso no meu grupo de amigos, mas depois disso, eu fiquei muitíssimo mais. Então voltei pro Brasil em julho de 2013 e adivinha quem veio toda feliz me abraçar, querendo conversar? Bruna. A filha da mãe acho que queria me fazer de capacho de novo, mas logo eu deixei claro que isso nunca aconteceria de novo, eu era grosso mesmo com ela, ignorava pra falar com outras pessoas, não ajudava ela com nada, nem que fosse pra pegar o lápis dela no chão que estava perto de mim, não chamava ela pra sair, não falava com ela no facebook, etc etc etc. 

Mas depois, minha raiva dela foi passando, passei a deixar ela como amiga, até pq mesmo ela tendo sido uma merda na minha vida, ela ainda é uma pessoa boa de conversar, e atualmente em 2013, eu praticamente que uso ela, quando vou a festas ela me dá carona ida e volta(pais ricos deram um carro pra ela), peço dinheiro emprestado e nunca pago( sei que é errado, mas ela é a única pessoa que eu faço isso).

Na última festa que eu fui e ela foi, eu fiquei o tempo todo com uma menina, meu amigo disse que toda hora ela queria ir falar comigo só que eu tava me agarrando com minha ficante, e depois que essa minha guria foi embora, Bruna ficou com outro cara, eu nem teria percebido que isso tinha acontecido se meu amigo não tivesse dito que ela olhava na nossa direção enquanto beijava o cara pra ver se eu estava olhando. E depois, fomos eu, meu amigo, Bruna e a prima de Bruna( que também é minha amiga) pra casa dela, ficamos lá conversando e depois a prima dela falou pra mim que achava que Bruna gostava de mim, eu ri e falei meio alto(espero que ela tenha escutado): Coitada, não rola nem a pau.

E realmente não rola nem a pau mesmo, o máximo acho que seria uma ficada se eu estivesse a fim e pronto, nunca me relacionaria com ela e na verdade, acho que nem a ficada aconteceria pois eu teria um prazer quase sádico de rejeitar ela lol. 

Mas agora vendo isso tudo deste momento, eu vejo que tive sorte de conhecer a Real tão cedo, poderia ter gasto muito mais tempo da minha vida se tivesse demorado mais pra aprender essa lição.

Então é isso, tenho um outro relato sobre uma situação que está acontecendo entre eu e a menina que eu to ficando atualmente, mas contarei mais tarde por pguiça de escrever depois de escrever isso tudo.

domingo, 7 de julho de 2013

[Relato] Cretinice feminina que me deixou puto hoje

Por JoshHarvey



Fui num condomínio encontrar uns amigos, no carro de um brother meu. Ele chegou aqui em casa para me buscar umas 19:30, veio com a namorada, e disse que ia levar ela em um outro condomínio (onde estava rolando uma festinha entre as amigas dela), e que depois seguiria para o condomínio que nós iríamos inicialmente. 

O condomínio das amigas da namorada do cara era longe pra caralho, na puta que pariu mesmo. O cara deixou a mina lá, e seguiu pro nosso destino. 

Umas três horas depois que a gente chegou, ainda estávamos de papo com os brothers de lá, a mulher liga querendo que o cara vá buscar ela, que ela quer ir embora. O cara tenta convencer a mulher a ficar mais um pouco, pois ele não queria ir embora naquele momento. A mulher começa a gritar pelo cel, dá uma pagação no cara, e exige que ele não demore, pois ela quer ir embora. 

Então eles acertam para que ele vá embora buscá-la depois de mais 30 minutos. 

O tempo passa e o cara me chama pra ir embora, eu, como estava de carona, tive que adiantar o meu lado com ele, já puto em ter que ir até o quinto dos infernos pegar a mina com ele. 

Quando a gente chega no condomínio, o porteiro avisa que a mina tinha ido para outro condomínio, na casa de outra amiga, e que era pra ele ir buscar ela lá. E ela nem ligou pra avisar o cara! O cara deu uma viagem do caralho perdida, sendo que ele poderia ter ido diretamente para o condomínio onde ela tinha se dirigido também. 

O cara então se dirige para o outro condomínio, do outro lado da cidade, pega a cretina, que passou o percurso inteiro com cara de cú dentro do carro, e me deixa em casa. Quando eu bato a porta do carro, já começo a ouvir o bate boca, ao mesmo tempo em que ele acelera e vai embora. 

Eu nem falei nada, fiquei na minha o tempo todo. O cara é amigo de infância, é advogado, já me fez vários favores profissionais sem cobrar porra nenhuma, conhece a minha família e eu conheço a dele, enfim, é brother mesmo. Não quis correr o risco de meter umas reais na fuça dele e ele ficar puto comigo e a amizade se enfraquecer ou mesmo ser destruída.

Mesmo assim fico puto. Não sei se vou aguentar testemunhar outra situação parecida e não vomitar uma avalanche de reais na cara dele.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Relato - Frings


Confrades, após muito refletir e protelar, resolvi fazer meu relato para contar a vocês um pouco da minha história.
Desejo paciência a todos que forem ler, ficou muito extenso, mas vale a pena.

Início:

Falarei brevemente sobre mim.

Por que “FRINGS”? Como expliquei a alguns confrades há um tempo, nada mais são do que as iniciais dos meus nomes e sobrenomes trocadas de posição (FRING) e um + “S” no final.

Tive uma criação honrada e com valores, sempre vendo a felicidade do casamento dos meus pais, que sempre se amaram e sempre foi bem tradicional, com valores, respeito e parceria.
Meu pai sempre foi um cara tranquilo, que todos gostavam, gente boa, honrado e um verdadeiro homem de família. 

Quando eu tinha 12 anos, ele faleceu. Aos 12 tive que virar o homem da casa e cuidar da minha mãe, que ficou muito abalada no início. Essa época foi muito difícil pra mim, sofri, mas sofri calado. Minha mãe perdera o amor da sua vida e eu precisava ser forte por ela. Nesse mesmo ano, eu quase reprovei na escola. Mas demos a volta por cima e continuamos batalhando e sentindo a falta dele.

Partilho aqui uma teoria que acredito (e que já foi falada no fórum) de que um dos grandes agentes da Matrix são nossas próprias mães. Minha mãe nunca mais olhou pra outro homem, até hoje, 9 anos depois ela ainda o ama e valoriza tudo que ele deixou para nós, desde sua sabedoria até os bens materiais e sempre relembra das histórias divertidas que tiveram. Logo, dá pra perceber que desde cedo acreditei no mito do amor romântico. Tudo, além da doutrinação, por conta do exemplo que tive em casa.

Pra minha sorte, sempre fui ensinado que deveria tomar cuidado com mulher, pois nem todo mundo presta. Talvez por isso, não me fudi tanto como alguns confrades na vida. Mas me ferrei também.

A Matrix e os Relacionamentos

O Começo

Como sempre acreditei em alma-gêmea, amor à primeira vista, etc. Eu sempre me ferrei na mão das meninas que eu gostava. Eu nunca tive problema de “chegar” em meninas que eram apenas conhecidas ou desconhecidas. Mas quando se tratava das meninas que eu gostava...Sempre me decepcionei. Passei uns 2 anos na friendzone com uma “amiga” da escola. Minha sorte é que eu era muito ‘babaca’. Sempre gostei de ser o centro das atenções, praticava bullying, zuava os “amigos”. Mesmo assim, todos me adoravam, eu era um dos palhaços da turma, mas sempre fui amigo e leal. A figura popular foi só um jeito que eu aprendi para me enturmar e ter muitos “amigos”. Para essa menina da friendzone, eu escrevi uma carta e meu “melhor amigo” também escreveu uma carta para a menina que ele gostava e entregamos para elas no mesmo dia. Nunca recebemos resposta, :facepalm:facepalm eterno.
Eu andava com ela de braço dado (QUE HUMILHANTE, :facepalm: ) e mais uma outra “amiga” no intervalo do lanche na escola. Até o dia que eu vi um grupo de “amigos” rindo de mim e apontando, como se eu fosse um grande trouxa que jamais iria pegar ela. Eles estavam certos, mas nesse dia eu caí na Real e nunca mais andei com elas.

Como disse antes, eu fui crescendo indo pra inúmeras festas, pegando várias meninas em algumas, nenhuma em outras (sentindo-me um fracassado por não beijar ninguém), e o tempo foi passando, fui me relacionando com algumas meninas, mas nada sério, e tudo pra esquecer ela.

Nesse meio tempo, eu conheci outra menina, (2 anos mais nova que eu), e esqueci da outra. Mas por essa eu fiquei bem mais apaixonado que pela primeira ( :facepalm: ), e essa friendzone bem pior. Eu ficava offline no msn esperando ela entrar, entrava exatamente junto com ela, pra fingir que entramos juntos :facepalm: . E claro, pra manter a friendzone para sempre, ela quase sempre me chamava para conversa e o mangina ficava super feliz pela migalha de atenção. E quando ela não me chamava, eu ficava arrasado e super triste.:angry:

E foi seguindo, eu manginando e sendo amigo dela e sofrendo pq queria ser namorado kk. Certo dia, enquanto conversava com ela, na saída da escola, chegou uma amiga dela, que chamarei de “MN” (Mais Nova), ela se apresentou e começou a conversar com a gente. Ela foi bem legal comigo e tudo. Só que nem dei bola. E fomos conversando e conversando.

No meio desse ano, houve um churrasco com uns amigos da época, era só álcool e várias piriguetes, eu fiquei bêbado e comecei a dar em cima de uma vadiazinha qualquer, pedi uma camisinha pro meu amigo e levei ela pro quarto do irmão do dono da festa e comi minha primeira mulher. Ao invés de me fazer bem, eu fiquei triste pra caralho nos dias seguintes. Pois eu nem sabia o nome dela, ela nem sabia o meu, será que as mulheres são todas assim? (começou aqui a pequena veia da Real na minha cabeça). 

Mas, como todo bom matrixiano, quis pagar de fodão e fazer pouco caso, como se fosse só mais uma e escolhi ignorar meu pensamento. Minha vida foi continuando, fui pegando uma ou outra, aqui e ali, sem jamais namorar. A “amiga da friendzone 2 anos mais nova” estava namorando com um colega meu, então desencanei de vez dela. Foi uma das melhores fases da minha vida, até aquela época, finalmente não estava apegado a nenhuma mulher...até o momento.

Primeira Queda

Passado quase 1 ano, continuei falando quase que diariamente com MN, ela se apaixonou por mim. Ela ia sempre atrás de mim e me procurava. Mas claro, eu era “desapegado”, era popular, pegava algumas mulheres em festa e era 2 anos mais velho. Imaginem a emoção de dominar um homem assim. 

E foi o que ela fez. Eu comecei a me apaixonar por ela, comecei a ficar mais disponível a ela. Então nos encontramos em uma festa e ficamos. Foi tudo lindo e maravilhoso (pobre matrixiano). Até eu ficar apegado e começar a falar de futuro e namoro. Um tempo depois, ela ficou extremamente fria. Eu não sabia o que eu tinha feito de errado, achei que a tinha magoado, me culpei por estar perdendo ela. Então ela aparecia do nada e reacendia a chama da paixão. E em seguida sumia. Não respondia minhas mensagens, ligações. A culpa que eu sentia por ela se transformou em mágoa e a mágoa virou raiva, muita raiva. Eu peguei o pouco orgulho que eu tinha e não a procurei mais.

Passado algumas semanas, ela me chama no MSN e me manda uma vinheta que todos estavam falando na época. Eu simplesmente a respondi com isso “:)”. Ela depois tentou puxar assunto, e eu demorava um bom tempo pra responder e qnd respondia, era totalmente seco. Aí ela me deixou de mão.

Alguns meses depois, eu me mudei para outra cidade, mas perto da minha cidade, em função de trabalho da minha mãe.

A Segunda Queda e o Inferno

Passados alguns meses, mexendo no Orkut, vi um perfil de uma mediana, mas pegável, nos amigos de um conhecido meu. A visitei, ela visitou de volta e eu deixei uma cantada escrota na página dela, ela respondeu, riu e me adicionou. (notem aqui os grande indícios de vadiagem, perfil aberto, com fotos. Scrapbook liberado. Adicionar desconhecido, entre outros). E então minha ruína começou, confrades.

Conversamos muito durante alguns meses, ela disse que me amava, e eu acreditei, tudo em poucos meses de conversas por msn e celular, eu sempre a elogiando e etc.

Fui passar o natal, ano-novo e as férias na minha cidade. Minha primeira atitude no dia seguinte da chegada? Pedí-la em namoro. Facepalm. E ela, muito feliz, aceitou.
Passamos o primeiro mês muito bem. Até eu voltar pra minha cidade. Detalhe que ela é 1 ano mais velha. Ela fez o vestibular e iniciou na faculdade. Aqui meu inferno emocional começou. Ela sempre foi ciumenta, mas se tornou muito mais. E fez jogos psicológicos até eu ceder e me tornar também um ciumento e obsessivo. 

Minha vida se tornou um inferno. Eu fazia de tudo por ela, deixava de sair com os “amigos” da cidade nova, mandava presentes por correio, acordava cedo pra mandar mensagem de bom dia. Comprava passagens pra ela vir me visitar. E ela cada vez mais fria e distante. Aí no meio do ano fui visita-la e tivemos a nossa primeira vez. Ela disse que era virgem, mas eu não acredito. Enfim, o sexo era fenomenal, já que eu a amava e ela era o amor da minha vida, KKKK. Tomei um senhor chá de buceta e fiquei cada vez mais submisso. Quando eu ia visitá-la, ela era um anjo e o sexo era maravilhoso. Aí logo que eu pisava na minha cidade, ela mostrava sua verdadeira face. Mais infernos emocionais e mais submissão. Eu deixava de sair de casa para não desagradá-la. 

Todos os meus “amigos” não entendiam como uma mediana de merda daquelas conseguiu me dobrar desse jeito. Nem preciso dizer que quase não via meus amigos de infância pra ficar com ela quando eu ia pra minha cidade. Uma das coisas que me arrependo até hoje é de ter apresentado ela a alguns dos meus amigos. Ela adicionou quase todos no Orkut e mantinha contato com eles e eles gostavam dela. Isso me magoou muito, depois explicarei pq. Eu nem preciso dizer pra vocês o quanto ela me fez sofrer com os ciúmes, o quanto ela me infernizou, falava com amigos sem maldade alguma, mantinha contato com as pessoas que queria, sempre era muito requisitada.

Ela tinha sempre vontade de sair, ir pra festa, vivia me pedindo e eu, por ser ciumento, não deixava de jeito nenhum (facepalm) tudo pra infernizar o otário aqui. Até que um dia ela ficou na faculdade até mais tarde em uma “pequena” confraternização na faculdade. Ela chegou quase 11 horas da noite e me disse que a culpa era dos ônibus. Eu engoli, mas não acreditei. Aquilo foi muito humilhante pra mim, me senti um lixo, nem preciso dizer que meus ciúmes aumentaram e que eu entrei em um sofrimento psíquico fudido.

Ficamos mal pra caralho e ela sempre na inocência, se fazendo de coitada, que eu era muito paranóico, me colocando como monstro. A verdadeira vadia segundo o conceito de NA. E fui levando. Nas oportunidades que podia, ia visita-la e recebia mais chá de buceta. E uma das piores coisas que aconteceu nesse tempo foi eu ficar contra a minha mãe (que não aprovava o namoro, pq será?) e ficar a favor dela.



Aí aconteceu que ela foi no aniversário da irmã de um amigo de infância. Ela apenas me comunicou, pois, segundo ela, era muito importante pro amigo dela ela ir e tal. Pronto, pra mim, havia sido a gota d’água. Fiquei muito chateado. Levei mais uns meses e pedi um tempo, ela chorou e fez o maior drama. Esse tempo durou 2 dias kkkkkkkkk, apegado do jeito que era, acabei deixando de mão. :facepalm: 

Passamos o ano novo e natal longe um do outro, nem fiz questão de saber onde ela iria passar, eu já não aguentava mais sofrer. Então ela veio pra cá. Passamos umas 2 semanas tranquilamente e então eu criei bolas, juntei os pequenos pedaços de homem que eu ainda tinha e terminei. Ela chorou, esperneou, fez drama. Mas eu fui irredutível e foi pra casa com o ego despedaçado, jamais esperaria isso de mim. :fuckyou: 

Ficamos conversando mais umas semanas por MSN e celular. Um dia meu amigo viu ela andando de carro com um macho e logo me avisou. E então eu descobri que ela havia combinado de sair com um “amigo” em um certo dia. Eu vi a conversa no facebook. Ela estava chamando o "amigo" para dar uma volta, pra todo mundo ver no facebosta. E não tinham nem duas semanas que a gente tinha terminado, se não me engano. Eu fiquei muito puto. Liguei pra ela e pedi satisfação, mas não falei pra ela que tinha visto a conversa e sim que um amigo meu tinha visto. Então, ela foi MUITO dissimulada e mentiu muito descaradamente, como se estivesse falando normalmente. Me disse que o "amigo" tava mal e pediu pra sair com ela kkkkk. Aí eu disse meu trunfo, então ela logo mudou de discurso, disse que botou no facebook pq sabia que eu olharia kkkkk. Foi cômico. Nunca tinha percebido o grau de vadiagem dela. Aquilo me quebrou, vi como eu sempre fui burro. :rocket: 

Virei homem de vez, honrei minhas bolas e deletei ela de todas as redes sociais, mudei meu número de telefone. Cortei todos os contatos. Minha magoa com meus “amigos” foi que mesmo depois disso tudo, eles continuaram falando normalmente com ela. Foi como se nada tivesse acontecido. Vez ou outra vieram me contar algo dela e eu fui curto, grosso e rompi contato com eles também. 

A Descoberta da Real

O rompimento do namoro foi no início daquele ano. 2 meses depois, eu já estava começando a melhorar psiquicamente. Estava participando de uma comunidade no orkut e alguém postou um vídeo do Bolsonaro metendo a Real. Eu achei demais e fiz uma postagem “metendo a real”. Nisso, um conhecido meu, que foi quem postou isso, e que a gente sempre trocava ideias, estava conversando comigo e estávamos falando do carnaval e do que tínhamos visto e tal. Aí ele me mandou um link do blog do Silvio Koerich que era sobre o carnaval. Puta que pariu, foi uma pedrada na minha cabeça. Tudo começou a fazer sentido. Eu li todo o blog dele, descobri o do Doutrinador, descobri as comunidades. E por fim conheci Nessahan Alita. Puta que pariu. Foram tantas cacetadas que levei. Quando lia as postagens/o livro eu só fazia nota mental “eu fiz o contrário disso”. E por ai tudo foi ocorrendo. 

A Reviravolta

Eu li, mas não internalizei a Real, meio que encarei como um manual para lidar com as mulheres (tipo um PUA, só que já estava começando a absorver um pouco dos ensinamentos). Mas consegui melhorar 200% em relação ao mangina/matrixiano que eu era. Mudei minha postura, me cuidei mais, comecei a me desapegar das coisas. Comecei uma reviravolta interna e minha vida começou a encaminhar. Percebia até no cursinho, onde só tinha patricinha escrota, que me olhavam diferente e elas me davam mais moral. 
Nesse meio tempo comecei a conversar com uma “amiga” de uma “amiga” minha. Dessa vez já sabia o que as mulheres gostavam e o que elas queriam. E ela começou a gostar de mim e ela era só mais uma pra mim. Porém ela sempre foi legal comigo, ela era inteligente e bem gente boa, mas não baixei a guarda. Já bastava o que já tinha passado por me entregar a mulheres “legais”. Durante essa minha reformulada, aquela que era mais nova, que fiquei com ela, do início do relato, conversava comigo, mas eu não me mostrava sempre disponível e era sempre pouco acessível. Então ela soube que eu iria passar as férias na minha cidade (a chamarei de MN - “mais nova”).

Chegou o meio do ano e eu fui visitar minha cidade. Encontrei, no segundo dia AdA (amiga da amiga) fomos a uma praça, conversamos e ficamos. Ela ficou super encantada comigo e eu gostei dela e fomos ficando. Alguns dias depois a MN quis me visitar, na casa dos meus tios, mas não pôde. Então eu fui à casa dela, apenas para conversar, com meu primo. 5 minutos depois a gente estava se beijando. Foi algo bem estranho. Eu me senti mal, nunca fui do tipo de cara que está com uma e vai pegando outras e depois descobri que a MN estava ficando também com um cara (e nem hesitou em me beijar).

1 semana depois, no fds, a AdA, saiu pra uma festa e nem me avisou, apenas me comunicou que iria. E nem tinha pq me avisar, não tínhamos nada. Nisso eu fiquei chateado e foi bom pra eu acordar um pouco e não cair no conto da sereia.

No sábado seguinte, eu fui pra uma festa com um “amigo” de infância. Estava me achando o máximo, pois estávamos com a namorada dele e mais 2 amigas dela. Eu fiquei bem bêbado e beijei uma e logo depois propus para darmos beijo triplo com uma amiga dela e fizemos isso. Fiquei com ela a noite inteira e depois meu “amigo” foi deixar a outra amiga em casa e fomos a um motel. Foi minha primeira foda casual.

E no domingo, eu fui dar uma volta com outros “amigos” e encontrei a ex por coincidência numa festa que a gente tinha ido. Foi foda, senti algo bem ruim. Algo complicado e doloroso. Além de muita raiva. Mas não perdi a compostura. Fui lá, disse oi para ela e para suas amigas. Encontramos um grupo de amigos da menina que meu amigo tava ficando. E tinham duas meninas pegáveis. E eu queria pegar uma delas. Só que quando fomos pra pista de dança, topei com a minha ex. e a amiga dela puxou um amigo meu para dançar e a minha ex ficou me olhando. Então nos aproximamos. Ela fez todo um drama e eu peguei ela. Ela me disse que eu estava muito mudado e que eu estava irreconhecível, frio e fechado (engraçado que ela ficou molhada por causa disso, jamais acreditem no que elas dizem). Aqui cometi meu erro. Ficamos de conversar. Na terça encontrei a AdA e ficamos novamente, quase rolou algo a mais, mas ela não quis. E na quarta, a AdA, descobriu que eu tinha ficado com a Ex. ela ficou muito triste, decepcionada e magoada comigo. Eu entendi e a respeitei, desliguei o telefone e liguei pra ex. Fui pra casa dela e a comi de novo. E a noite fomos a uma festa e, chegando na casa dela, a comi na escada.

Me senti um lixo, pra ser sincero. Comecei a sentir a Matrix querendo me absorver, quase tive uma recaída. Então, falando ao telefone, eu disse pra ela que seríamos apenas amigos e ela aceitou de boa, como se não fosse nada. Nisso, eu estava falando com a AdA também. E pedi desculpas a ela e que ela fosse me visitar antes de eu viajar. Ela aceitou. Ela foi onde eu estava e, após, uma conversa, ficamos. Isso mesmo. Ela aceitou que eu a tivesse “traído” e disse que gostava muito de mim e como a gente não tinha nada, ela entendia. E fui ficando com ela até o dia que fui embora, ela fazendo juras de amor e tudo. Mas no dia da viagem, nós deixamos claro que jamais funcionaria e pronto.

Consequências

Quando cheguei a minha cidade, os infernos emocionais tentaram voltar. A ex ficou me enchendo o saco DIRETO (esqueci de falar que quando eu a deletei das redes sociais, ela criou fakes pra falar comigo). Me ligava, mandava mensagens. Tive que trocar de número de novo. Dessa vez eu dei o número para alguns poucos amigos e para a AdA (e para a amiga dela, a que nos apresentou).
A ex falou com essa “amiga” minha e pediu pra ela me dizer pra eu falar com ela pelo msn. Eu não quis então a minha “amiga” disse: “conversava com a ela, pela nossa amizade...”. Eu não acreditei no que tava lendo. Eu aceitei, ela falou uma bando de merda pra mim, que EU queria voltar a namorar com ela. E várias mentiras. Eu dei umas respostas pra ela e a chamei de louca e respondi “fique bem” e a bloqueei. Vocês acham que ela me deixou de mão? Negativo, confrades. Depois de uns dias, ela ficou me ligando e mandando mensagens do celular. Mudei de número, de novo. Mas não passei pra nenhum “amigo” meu. E perdi o contato com todos, via celular.

Atualidade

Segui minha vida, meus estudos. Tentando sempre internalizar a Real e melhorar. Curti e curto bastante minha vida. Tive minha fase "cafa" (que fica pra um outro relato). Hoje estou numa fase mais tranquila, com algumas marmitas e focado no meu desenvolvimento pessoal. Ainda tenho muito a melhorar.

Eu agradeço e vou sempre agradecer à Real e a vocês, confrades, que tornaram tudo isso possível. A partir das minhas vivências, eu tive a certeza que a Real salva vidas.

Obrigado, Real. Obrigado, Fórum. Obrigado, Confrades. :beer: 

Frings, do Fórum Mundo Realista. :sentido: