Mostrando postagens com marcador Política. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Política. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Aborto por Estupro

Dúvida respondida por Ronald Reagan




Confrades, sei que é consenso na Real de que Estupro é um ato abominável em qualquer situação.


Mas conversando com uns amigos, no meio da conversa, foi posta a seguinte hipótese:

"E se a estuprada fosse sua mulher, e ela engravidasse?"

Confesso que fiquei meio indeciso quanto a essa hipótese. De um lado tem o fato de que a criança não tem culpa do pai ser um estuprador. De outro, você teria que cuidar de uma criança que é filho de um ser desprezível, da pior espécie.

Diante disso me vi das seguintes opções:

a) Cuidar da criança, e sustentá-la, mesmo sabendo que ao olhar pra ela sempre me lembraria que ela foi fruto de um ato repugnante.

b) Deixar a criança nascer naturalmente, e colocá-la para adoção.

c) Abandonar a mulher e a criança (o que seria uma atitude bastante desonrada)

d) Abortar


Não tenho dúvidas que a maioria das mulheres optaria pelo Aborto. Mas eu pergunto a vocês, qual seria a posição de vocês a respeito? Qual saída tomar? Teria outras além das que eu citei?

Lembrando que o estupro em questão teria sido praticado sem nenhum descuido por parte da mulher. Sem estar bêbada, nem estar vestida com trajes indecentes. O foco em questão é o aborto, e não a forma como o estupro foi realizado.



RESPOSTA


Eu não caio nessa não, essa situação de mulher estuprada e depois fica gravida é raríssima de acontecer, o movimento abortista usa essa desculpa para tornar o aborto mais aceitável abrindo a primeira exceção, ou no jargão popular colocar só a cabecinha. Que é uma situação terrível uma mulher estuprada engravidar, isso é inavegável, mas o que aquela vida dentro do útero não nada tem haver com o ocorrido, ai fica a pergunta pq justamente o mais inocente e alheio a fatalidade é que tem que pagar com a vida.


Aborto é inaceitável, sobre quaisquer circunstâncias, sempre será um ato hediondo, um atentado contra a vida de um inocente que não tem a menor possibilidade de defesa, ou seja a maior das covardias.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Como os direitos trabalhistas fodem com o trabalhador


Trabalho. Mais trabalho. Patrão filho da puta enchendo a sua mesa, cobrando prazos, qualidade. Medo de ser demitido. Salário baixo, que mal dá pra se sustentar, e tem que ser suficiente pra sustentar a família inteira. Camelôs e ambulantes se alastrando pela cidade feito uma praga. E, pra coroar, os preços da cesta básica subindo.


O que os efeitos acima têm a ver com leis trabalhistas? Absolutamente TUDO! Cada um dos efeitos acima tem relação direta com os direitos trabalhistas; arrisco dizer que nenhum deles viria sequer a existir, não fossem as malditas leis do trabalho! Sua vida, seja como patrão, seja como empregado, seria DEZENAS DE VEZES MELHOR se as relações de trabalho se resumissem a pagar valor x pelo trabalho y da forma como patrão e empregado melhor entendessem. Com um detalhe: ao contrário do que as pessoas acreditam, o poder de barganha seria TODO do EMPREGADO!

Vou explicar os efeitos das leis trabalhistas um a um. Entender os tais efeitos não é difícil, com a exceção do último. Difícil mesmo vai ser você não ficar puto depois que descobrir a filhadaputice que são as leis do trabalho.

Pra começar, imaginemos uma empresa qualquer. Por exemplo, o supermercado Central do Búfalo:



O dono do supermercado, sr. Leonardo Oliveira, fez um cálculo de quanto dispõe por mês para pagar salários, e chegou ao valor de R$10 mil mensais. Vamos desenhar os R$10 mil:




Com os R$10 mil, o Leonardo Oliveira decidiu contratar 10 empregados, pagando R$ 1 mil pra cada peão. A folha de pagamento vai ficar assim:




Até aí, tudo certo.




Agora, vamos colocar os direitos trabalhistas na história.

Os encargos trabalhistas no Brasil obrigam o empregador a recolher, entre impostos, encargos sociais e outras merdas, um valor igual ao salário do empregado. Se você recebe R$1 mil, o patrão tem que pagar outros R$ 1 mil para o governo.

O problema é que, no caso do Leonardo Oliveira, não tem como dispor de mais R$ 10 mil pra pagar esses encargos. Ele não tem R$ 20 mil pra folha de pagamento; tem só R$ 10 mil.

O que ele vai fazer pra resolver o problema?

Isso:



Por causa das leis trabalhistas, 5 pessoas perderam o emprego, e só 5 continuam trabalhando. Os encargos trabalhistas causaram este efeito: reduziram o número de vagas de trabalho pela METADE!

Vamos piorar a situação um pouco. 

Não bastasse este primeiro efeito, agora sai uma lei dizendo que o SALÁRIO MÍNIMO será de R$1.500,00. Quer dizer que cada empregado vai custar, para o Leonardo Oliveira, R$3 mil!

Como vai ficar a folha de pagamento do Leonardo Oliveira agora:



Mais dois perderam o emprego. As leis destruíram 7 vagas e deixaram apenas três.



Entendeu agora o porquê de as leis trabalhistas causarem DESEMPREGO?






Só que ainda tem mais! Desemprego é só o primeiro efeito! Há outros! Muitos outros!







O Leonardo Oliveira perdeu 7 empregados e manteve três. Ok. Só que o mercado não diminuiu de tamanho! Os três funcionários que sobraram vão ter que dar conta do serviço que os dez faziam! Leonardo Oliveira não está nem aí se o volume de trabalho é gigantesco! Ele só quer o serviço feito!

Os três funcionários, agora, vão trabalhar TRIPLICADO! Sobrecarga de serviço, cobranças intermináveis do Leonardo Oliveira, e tudo isso ainda mantendo a qualidade dos serviços!

Podemos dizer, com absoluta segurança, que os três funcionários que sobraram, agora, estão com a qualidade de vida PIOR. Excesso de trabalho significa DOENÇAS; significa STRESS; significa MENOR CONTATO COM A FAMÍLIA; ESCRAVIDÃO!






Estou exagerando? A maioria de vocês tem certeza que não! É só olhar a realidade aí do seu trabalho: FALTA GENTE! VOLUME DE TRABALHO DESUMANO! TODO MUNDO APREENSIVO, PORQUE O VOLUME DE VENDAS É INSUFICIENTE! 

A sobrecarga de serviços provoca stress, ansiedade e MEDO. Porém, não provoca mais medo que o fantasma da DEMISSÃO!






Voltemos ao supermercado Central do Búfalo.





Os três estão sobrecarregados de serviço, trabalhando feito uns cavalos. Mas não podem reclamar do trabalho, porque os outros 7 que perderam o trabalho estão lá na rua querendo o emprego de volta!

Como tem mais gente na rua que no trabalho, agora o Leonardo Oliveira pode se sentir à vontade pra se tornar um chefe cruel, arrogante, que pisa nos empregados sem dó; ele sabe que, se algum daqueles três pedir demissão, ele pode conseguir outro para o seu lugar RAPIDAMENTE; tem sete opções lá fora!

O medo da demissão, agora, se tornou uma constante entre os três empregados; como se não bastasse todo o stress da sobrecarga de serviços!

Além de pisar nos empregados, além de entupi-los de serviço, o filho da puta do Leonardo Oliveira ainda se vê no direito de ACHATAR OS SALÁRIOS dos três infelizes. Ele sabe que os três não têm opções, ao contrário dele, que tem sete reservas lá fora.

Alguns podem argumentar que o que impede o Leonardo Oliveira de achatar ainda mais os salários é o salário mínimo. Mas, na verdade, o salário mínimo é inútil. Se o salário mínimo está acima do que o Leonardo Oliveira pode pagar, ele simplesmente vai demitir funcionários, como no exemplo acima; se o salário mínimo for baixo demais, ninguém vai topar trabalhar por ele!









Estamos falando muito sobre os três infelizes que estão trabalhando no supermercado. Vamos esquecer um pouco eles e vamos nos voltar aos sete que perderam o emprego. Eles não vão conseguir outro emprego, por que, a exemplo do supermercado Central do Búfalo, as outras empresas também demitiram!

O que eles vão fazer? Alguns vão arriscar abrir o próprio negócio. Já outros (a grande maioria) vão recorrer à INFORMALIDADE! Por falta de emprego, agora, começam a surgir camelôs, pipoqueiros, vendedores de cachorro quente, ambulantes e toda sorte de trabalhadores informais.

Longe de mim dizer que o trabalho informal não seja "honrado". Porém, vocês hão de convir comigo que um trabalhador informal é MENOS PRODUTIVO e possui MENOR SEGURANÇA que um empresário ou um empregado. O trabalhador informal não tem a estrutura que uma empresa possui; não trabalha em equipe; não coopera!


Ao contrário das empresas, trabalhadores informais NÃO PODEM PARAR; se páram de trabalhar, seja lá qual for o motivo (até mesmo doença), páram de receber!









Desemprego, sobrecarga de serviço, stress, medo de demissão, salários achatados, informalidade. Estes efeitos são fáceis de se explicar. Porém, há ainda um último efeito um pouco mais complicado de se entender: o aumento dos preços!








Quem leu o texto Bolsa esmola e os seus reais efeitos já deve ter adivinhado como as leis trabalhistas provocam aumento dos preços. A lógica é idêntica àquela explicada naquele texto!

Por causa das leis trabalhistas, agora temos MENOS TRABALHADORES! Menos trabalhadores produzem MENOS COMIDA, MENOS ROUPAS, MENOS CARROS, MENOS TUDO! 



Se há menos produtos disponíveis, o que acontece com os preços? SOBEM!





Isso mesmo! Se há comida insuficiente pra todo mundo, alguém vai ter que ficar sem! E como se decide quem vai comer e quem não vai? Aumentando os preços, lógico! E quem vai pagar o pato no final das contas? OS POBRES! São eles, os mais pobres, que não terão condições de pagar os preços mais altos, e que irão se foder no final das contas!




Quem diria isso? As leis trabalhistas, criadas para "proteger o trabalhador pobre", na verdade, fazem com que seu salário diminua, empregos sejam destruídos e o preço de tudo, incluindo cesta básica, aumente



PUTA QUE PARIU! PUTA QUE PARIU!




E ainda tem quem defenda esse lixo chamado CLT (CACETE LONGO NO TOBA!)!





Ah, mas eu ainda defendo as leis trabalhistas. Ruim com elas, pior sem elas...




O que te leva a crer que sem as leis trabalhistas as coisas seriam pior???

As coisas nunca seriam pior sem as leis trabalhistas! Muito pelo contrário!

Sem as leis, agora, o número de vagas de trabalho DOBRARIA da noite para o dia, NO MÍNIMO! O desemprego, praticamente, iria desaparecer como num passe de mágica!

Mais gente trabalhando significa MAIOR PRODUÇÃO! Maior produção significa MAIS PRODUTOS DISPONÍVEIS, o que DIMINUI OS PREÇOS!

Camelôs, ambulantes e demais trabalhadores informais praticamente desapareceriam! A menos, claro, aqueles que realmente GOSTAM do trabalho informal. 

Com menos trabalhadores informais, os poucos que sobrarem na informalidade terão MENOR CONCORRÊNCIA, melhorando a qualidade de vida deles também!

O medo da demissão iria desaparecer! Muito pelo contrário: FALTARIA GENTE pra ocupar todas as vagas de trabalho disponíveis!

E, com mais gente trabalhando, haveria menos stress, pressão por resultados e volume excessivo de trabalho!



Vida pior sem leis trabalhistas é o meu ovo esquerdo!





Se você é trabalhador e inteligente, deveria lutar por esta causa: pela extinção de TODOS OS DIREITOS TRABALHISTAS! Pelo direito de VOCÊ decidir junto ao seu patrão seu contrato de trabalho. E com a garantia de que NINGUÉM irá se meter na sua relação de trabalho!


Países ricos não adotam leis trabalhistas, incluindo, entre elas, o SALÁRIO MÍNIMO. Em todos eles, os trabalhadores ganham MAIS e trabalham MENOS que aqui no Brasil. Isso não acontece por acaso!

terça-feira, 16 de julho de 2013

Bolsa esmola e seus reais efeitos





Criar um programa social com o objetivo de ajudar os mais pobres é algo que atrai muitos votos, além de tranquilizar a consciência dos mais ricos (fiz a minha parte, ui). É muito fácil montar todo um esquema para, simplesmente, tomar dinheiro de algumas pessoas, segurar uma parte para si e depositar o resto na conta de outras e dizer que, no final das contas, houve "justiça social". Afinal, como eles dizem, tudo foi feito com "a melhor das intenções": DIMINUIR A POBREZA.

Só que, de boas intenções, O INFERNO ESTÁ CHEIO. Não interessa se o seu coração está cheio de amor para dar, se você sente pena daquele papeleiro que cata lixo de porta em porta, ou daquele vendedor ambulante que sai para a rua de chinelo de dedo de sol a sol (coitadinho dele); o que importa, mesmo, é QUAL O RESULTADO que suas ações provocaram na vida dele e de toda a sociedade. O resultado, e não a intenção, é o que conta. Não vivemos de intenções; vivemos de comida, roupas, moradia, transporte e lazer.

Considerando este fato, de que o resultado, e não a intenção, é o que importa, podemos analisar com mais calma e realismo os programas sociais do tipo bolsa-esmola, para ver se são realmente úteis à sociedade, ou se são só mais uma forma de se ganhar votos, mantendo tudo como sempre esteve.



E qual é o resultado do bolsa-esmola?




Bem, o primeiro resultado é premiar pessoas que não estão produzindo nada; ou, pelo menos, que estão produzindo algo que a sociedade não considera útil! Quando o governo paga uma bolsa esmola a alguém, em outras palavras, ele está pagando àquela pessoa para continuar naquela situação, sem produzir algo que a sociedade precisa naquele momento.


Significa dizer que menos pessoas estarão produzindo itens necessários e urgentes, como roupas, calçados, comida, limpeza, material escolar e outros. Enquanto uma legião de pessoas, sustentadas por bolsa esmola, produzem apenas LIXO INÚTIL, outras pessoas tentam se virar para produzir bens necessários a todo mundo.

Resultado disso? Nós já vimos no texto das maçãs. Se a quantidade de arroz disponível cai, o seu preço SOBE, exatamente porque NÃO TEM ARROZ PRA TODO MUNDO! ALGUÉM VAI TER QUE FICAR SEM ARROZ; e a única forma de selecionar quem vai ficar sem arroz é AUMENTANDO O PREÇO! Os mais pobres, claro, é que irão pagar o pato!

O mesmo se aplica ao feijão, carne, roupas, limpeza, e todo o resto!

De uma vez por todas, vê se aprende: quando o preço de qualquer produto está alto, é porque este produto está com estoque baixo; não tem quantidade suficiente deste produto pra todo mundo. Esta regra vale pra absolutamente tudo! Claro que existe a influência dos impostos; mas o que realmente joga o preço de qualquer coisa para cima é sua falta no mercado!

E o que faz com que a quantidade de um produto qualquer diminua? Existem várias razões menores; mas o motivo principal é que tem POUCAS PESSOAS PRODUZINDO AQUELE PRODUTO. A quantidade de pessoas produzindo é insuficiente pra atender a todos. Se tivesse muita gente produzindo, aí teríamos aquele produto em quantidade suficiente pra todo mundo, o que jogaria o preço lá embaixo.

É justamente aí que o bolsa esmola entra pra ferrar com o processo. Por causa dele, as pessoas continuarão a produzir lixo, ao invés de produzir aquilo que realmente está fazendo falta. Elas perderam o incentivo para migrar para atividades urgentes, e se acomodarão na dependência do bolsa esmola.



Resultado disso: preços da cesta básica mais altos. Preços do vestuário mais altos. Preços de absolutamente tudo mais alto! 



Agora, pense comigo: imaginemos que a cesta básica esteja em R$400,00 por mês, só pra exemplificar. Para um sujeito que ganha R$10 mil mensais, R$400,00 não fazem lá muita diferença. Até mais ou menos R$6 mil, R$400 de cesta básica ainda quebra o galho.

O problema da cesta básica de R$400,00 é justamente para quem está ganhando R$600,00; R$800,00; R$1,2 mil por mês. Para estes fulanos, R$400,00 só de comida é um verdadeiro rombo no orçamento!

Se a cesta básica aumentar para, digamos, R$550,00, aí veremos muita gente sair da pobreza para entrar na classe dos MISERÁVEIS. São exatamente estes (os mais pobres) quem irão se fuder de verde e amarelo com o aumento dos preços. Os mais ricos vão segurar o tranco, porque têm "gordura pra queimar".





Resumindo: o bolsa esmola é uma tentativa imbecil de diminuir a pobreza. O resultado do bolsa esmola é exatamente PREÇOS MAIS ALTOS E MAIS POBREZA!










E como se combate a pobreza, espertalhão?










Não te parece óbvio? Pobreza se combate BAIXANDO OS PREÇOS DOS PRODUTOS! É a única forma eficaz de se fazer com que um país realmente prospere.

E preços só baixam se houver MAIS PESSOAS PRODUZINDO AQUILO QUE A SOCIEDADE PRECISA. Quanto mais pessoas produzirem bens necessários, menores serão os preços.

E as pessoas só produzirão bens necessários se, entre outras coisas, o governo NÃO ATRAPALHAR quem já está produzindo, e NÃO INCENTIVAR as pessoas a continuarem produzindo lixo! Menos burocracia para se abrir empresas, menos impostos, menos leis estúpidas, menos populismo!







Porém, este tipo de discurso não ganha votos, não é mesmo? Explicar economia para gente ignorante significa ganhar inimigos gratuitos, dor de cabeça e encheção de saco. Bonito é pregar "justiça social" tomando dinheiro dos outros. Bonito é dizer que está agindo "com a melhor das intenções" e "dormir com a consciência tranquila". Bonito é falar mal de gente rica, como se a pessoa que está falando não daria tudo para estar no lugar deles. Isso tudo me deixa puto e acaba com a minha vida; arrombados!

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Explicando preços usando maçãs


Cada vez que eu vejo uma notícia de que o governo vai intervir em algum setor econômico, para forçar os preços para baixo ou para cima, ou, ainda, para barrar novos concorrentes, me dá calafrios. Primeiro porque sei que cada intervenção do governo significa preços mais altos, produtos e serviços piores, ou, simplesmente, desaparecimento total do produto/serviço. Segundo, porque sei que o brasileiro é ignorante demais para entender os reais efeitos das intervenções do governo; e, por não entender, dificilmente irão protestar contra tais intervenções.


Muitas pessoas não entendem como funciona o sistema de preços. Imaginam que os preços surgem do nada, que são inventados pelos empresários; ou, ainda, imaginam que os preços são imutáveis, e que não são afetados por fatores externos. Tem aqueles que acreditam que os empresários cobram preços altos porque são ruins, egoístas e gananciosos; ou que cobram preços baixos porque são bondosos e altruístas.

São pessoas como essas que protestam por serviços públicos gratuitos, carros mais baratos, direitos trabalhistas, congelamento de preços, entre outras medidas populistas que só servem para jogar as pessoas na pobreza. Por causa dessas pessoas, governos populistas se mantêm no poder, enquanto políticos realmente voltados aos interesses da população ficam no limbo do esquecimento.

Imaginando que muitas dessas pessoas lê o blog, resolvi fazer um texto explicando como funciona o sistema de preços. O texto a seguir vai esclarecer um pouco sobre o porquê de adotarmos uma orientação política anti-esquerda, e o porquê de intervenções governamentais só produzirem miséria. Espero que, ao final da leitura, você consiga enxergar intervenções do governo de outra forma.



COMO FUNCIONA O SISTEMA DE PREÇOS SEM INTERVENÇÕES GOVERNAMENTAIS




Uma frase muito comum que ouvimos quando se trata de preços é: se a demanda é maior que a oferta, o preço sobe; se a demanda é menor que a oferta, o preço desce.

Por que isso acontece?


Vamos pegar como exemplo um mercado de maçãs.




EXEMPLO 1: Imaginemos que o mercado de maçãs está funcionando com o preço a R$ 3,00 o kg. Significa dizer que, a este preço, o número de pessoas dispostas a comprar maçã é condizente com o número de maçãs disponível no mercado.

Se, por acaso, o número de maçãs no estoque diminui muito, o mercado fica em apuros, porque as pessoas continuam querendo comprar maçã. 

Então, para resolver este problema, o mercado aumenta o preço da maçã, na tentativa de espantar a maior parte das pessoas. As pessoas vão ver que o preço aumentou, e pensarão duas vezes antes de comprar maçã agora; a maioria vai desistir. As poucas que, mesmo com o novo preço, ainda quiserem comprar, terão maçãs em quantidade suficiente para atendê-las.

Veja que, no caso acima, o mercado aumentou o preço das maçãs não por ganância, ou egoísmo, ou vontade de lucrar em cima do desespero das pessoas. Ele só aumentou o preço porque NÃO HAVIA MAÇÃS PARA TODO MUNDO. Dá para dizer que o aumento do preço é como se o mercado estivesse dizendo: TEM POUCA MAÇÃ, PESSOAL. POR FAVOR, PAREM DE COMPRAR MAÇàE PROCUREM POR OUTRAS FRUTAS!





EXEMPLO 2: Imaginemos, agora, uma situação contrária: os produtores de maçãs tiveram uma safra excelente, e, agora, tem muita maçã disponível. O mercado, agora, está com o problema inverso: tem maçã demais, e ele precisa se livrar do excesso, antes que as maçãs apodreçam
Como ele resolve o problema? Simples: DIMINUINDO O PREÇO. Com a maçã mais barata, muita gente que não queria comprar maçã, agora, vai ficar tentada a comprar, pra aproveitar o preço baixo. Mais gente disposta a comprar maçãs significa que o estoque vai diminuir rápido, resolvendo o problema.

Da mesma forma que no primeiro caso, neste caso o mercado diminuiu o preço não por bondade, altruísmo; ele diminuiu o preço porque PRECISAVA DIMINUIR. Era isso ou perder todo o estoque. Dá pra dizer que a diminuição do preço é como se o mercado estivesse dizendo: TEM MAÇÃ SOBRANDO, PESSOAL! POR FAVOR, LEVEM ESSAS MAÇÃS ANTES QUE APODREÇAM!



As duas situações foram desenhadas levando em conta apenas o estoque. Mas poderiamos levar em conta, também, o número de pessoas dispostas a comprar maçã.




EXEMPLO 3: Imaginemos que, por exemplo, saia uma notícia no jornal dizendo que comer maçãs torna as pessoas mais bonitas. Agora, vai ter mais gente querendo comprar maçã.

O mercado, assustado com tanta gente, e sabendo que não tem maçã para todo mundo, aumenta o preço, pra espantar as pessoas em excesso. Mensagem: NÃO TEM MAÇÃS PARA TODOS VOCÊS! ALGUNS DE VOCÊS PRECISAM IR EMBORA!





EXEMPLO 4: Se, ao contrário, sai uma notícia no jornal dizendo que comer maçãs causa câncer, agora, as pessoas ficam assustadas e resolvem parar de comer maçã.

O mercado, vendo que as pessoas pararam de comprar maçã, e sabendo que as maçãs vão apodrecer se ninguém comprar, agora resolve diminuir o preço, para atrair as pessoas. Mensagem: POR FAVOR, COMPREM ESSAS MAÇÃS! TEM MAÇÃ SOBRANDO!







O que impede que o mercado aumente o preço mais do que o necessário?

Resposta: os concorrentes.



EXEMPLO 5: Se o mercado A coloca as maçãs a R$10,00 o kg, e o concorrente coloca o preço a R$3,00, o mercado A vai ficar sem clientes! Simples assim! As pessoas não estarão dispostas a comprar maçãs pelo preço que o mercado A está cobrando, e irão abandoná-lo! O estoque vai ficar parado, as maçãs irão apodrecer e, com o tempo, o mercado A será forçado a baixar o preço; ou terá de desistir de vender maçãs.

Enquanto há concorrência, há a garantia de que os preços não subirão mais do que o necessário. Se os preços subirem mesmo com concorrência, então é porque os estoques estão baixos demais, e não tem como atender a todo mundo! Não existe outra explicação!

Agora, se o preço ideal da maçã é R$3,00, e surge um concorrente vendendo as maçãs a R$1,50, então este concorrente vai receber uma chuva de pessoas que irão limpar o estoque rápido demais, deixando o mercado sem maçãs. Considerando que não vai dar tempo de repor o estoque, e as pessoas continuarão procurando maçãs, o que vai acontecer é que as pessoas virão a este mercado, não vão encontrar as maçãs e irão ao concorrente que tem maçãs disponíveis, mas ao preço de R$ 3,00!


Por causa disso, baixar o preço demais também é ruim! O preço baixo leva ao desaparecimento dos estoques e à perda de clientes. Por causa disso, empresas que trabalham em cima de preço não duram.



QUANDO O GOVERNO SE INTROMETE...



Acima, eu ilustrei todas as situações possíveis em um mercado onde o governo não se mete. Agora, vamos ver o que acontece quando o governo entra na história com suas intervenções.




EXEMPLO 6: Peguemos a primeira situação. Os estoques de maçãs diminuíram, as pessoas continuam querendo comprar maçãs, e o mercado, para não ficar sem estoque, resolve AUMENTAR O PREÇO, para afugentar uma parte das pessoas. Com essa medida, o mercado vai continuar fornecendo maçãs só a quem realmente está interessado em comprar. Essas pessoas, que realmente precisam de maçã, terão sua necessidade atendida, e as outras, que não precisam tanto de maçãs, procurarão outras frutas.


Agora, imaginemos que o governo veja o preço das maçãs aumentar e pense: os mercados são malvados e gananciosos, e querem se aproveitar da crise das maçãs para lucrar, aumentando o preço! Vou baixar um decreto exigindo que os preços das maçãs não sejam aumentados! Quem furar o decreto vai preso!

O que irá acontecer? O mercado vai ser obrigado a continuar vendendo as maçãs ao mesmo preço, ainda que o estoque esteja baixo. As pessoas continuarão comprando como se nada tivesse acontecido. Resultado: o estoque de maçãs vai terminar rápido demais. Todo mundo vai ficar sem maçã!
Cadê as maçãs???



Aquelas pessoas que realmente precisavam de maçãs (tem gente que, por questão de saúde, precisa consumir uma dose diária de maçã) ficarão sem maçãs!

O governo tentou segurar o preço da maçã usando a força e, como consequência, todo mundo ficou sem maçãs!




EXEMPLO 7: Peguemos a segunda situação agora. Muito estoque de maçãs, os mercados resolvem diminuir o preço para tentar vender o excesso, e as pessoas resolvem aproveitar o preço baixo para comprar mais maçãs.



O governo, vendo essa situação, resolve criar um imposto sobre a venda de maçãs. Com isso, os mercados ficam sem condição de baixar o preço, e permanecem vendendo as maçãs ao mesmo preço. 

Resultado: o estoque de maçãs não é vendido, as maçãs apodrecem e os mercados resolvem parar de comprar maçãs pra revender. Os agricultores que produzem maçãs ficam sem ter quem compre suas maçãs, e ficam obrigados a produzir outra coisa.



Novamente, as pessoas que precisam de maçãs, no final das contas, ficarão sem! O governo, mais uma vez, com sua intervenção, deixou as pessoas sem maçãs.



Por último, falemos da concorrência.




EXEMPLO 8: O que impede os mercados de aumentarem os preços mais do que o necessário é a existência do concorrente. Enquanto existe concorrência, os mercados ficam impedidos de aumentar os preços mais do que o preço ideal.

Por outro lado, se algum mercado vende maçãs a um preço abaixo do ideal, ele vai atrair mais gente do que pode atender, vai ficar sem maçãs e, no futuro, ficará sem clientes!




No final das contas, todo mundo precisa manter os preços o mais próximo possível do preço ideal; nem mais, nem menos!





Agora, imaginemos que o governo (novamente ele, caralho!) cria uma lei que faz com que a maioria dos mercados de maçãs feche! Ou, ainda, uma lei que diga que só mercados que atendam a uma série de requisitos podem vender maçãs! 

Ele pode, por exemplo, dizer que vender maçãs sem refrigeração adequada, sem equipamentos adequados, ou qualquer outra exigência estúpida, pode trazer riscos à população. Tais equipamentos são caros demais. Mercados pequenos não conseguirão comprá-los. Resultado, eles páram de vender maçãs!



Fica só uma meia dúzia de mercados grandes vendendo maçãs!




Com isso, a concorrência é destruída, ou diminuída. Com menos concorrência, os mercados poderão praticar preços maiores que o ideal, porque sabem que os consumidores não têm para onde fugir! Ou compram deles, ou ficam sem maçãs!

Como vai ter gente demais procurando estes mercados, e como eles não vão poder atender a todo mundo, então eles começam a AUMENTAR O PREÇO A NÍVEIS ABSURDOS! Eles precisam afugentar toda essa gente! 

Ou, ainda, começam a piorar o serviço, começam a atender mal, começam a vender maçãs podres de propósito, deixam as maçãs ficarem cercadas de moscas DE PROPÓSITO, na tentativa de afugentar o excesso de gente.

Ou seja: O governo reduziu o número de pessoas que vendem maçãs, usando uma desculpa qualquer. O resultado é que os preços das maçãs chegaram a níveis estratosféricos, e a qualidade das maçãs vendidas caiu a níveis inacreditáveis!






O texto usou o exemplo das maçãs para ilustrar o que ocorre quando o governo se mete no sistema de preços. O exemplo das maçãs pode se aplicar a qualquer outro produto. As consequências são sempre as mesmas: preços altíssimos, produtos de má qualidade, produtos que desaparecem das prateleiras e deixam as pessoas na mão, empresas que fecham as portas por não conseguirem atender às exigências do governo, e todo mundo fica puto.

Exemplos na nossa realidade não faltam: telefonia, aviação, construção civil, rodovias, serviços hospitalares, e por aí vai. Os preços estratosféricos de alguns destes serviços, bem como os serviços de qualidade ruim se devem exclusivamente às intevenções do governo, leis estúpidas, impostos e outras merdas. Não fosse o governo se intrometer nestes mercados, a qualidade dos serviços seria outra. E os preços idem.

Esquerdistas clamam por mais leis, mais intervenções do governo, mais serviços gratuitos. Quinta feira haverá uma greve geral, pedindo coisas do tipo. Quanta ignorância, meu Deus!

Francamente, me dá um desânimo de saber que a maioria das pessoas jamais irá se tocar para os conceitos básicos de economia que eu postei neste artigo. Você há de convir comigo que não é tão difícil assim entender o sistema de preços, e o porquê de as intromissões do governo só atrapalharem o processo. 

Mas protestar é mais fácil do que usar o cérebro. Infelizmente, pensar dói. Para felicidade dos políticos corruptos.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Porque o serviço público sempre será uma bosta


O meu último texto falando sobre a imbecilidade de se protestar contra a corrupção me rendeu uma polêmica maior que eu imaginava. Pelo menos 130 pessoas deixaram de seguir a página Metendo a Real por causa do meu texto (em 15 minutos!), e até entre os admins da page houve quem discordasse veementemente do que eu postei. A mensagem que me passaram foi clara: as pessoas acreditam mesmo que protestar contra a corrupção é válido, e que a população pode exigir, sim, melhores serviços públicos, menos roubalheira e transporte público barato (o que eu já demonstrei ser impossível).


O fato é que, ao contrário do que os manifestantes acreditam, é IMPOSSÍVEL haver serviços públicos de qualidade. Pelo menos em países subdesenvolvidos, como no caso do Brasil (acredito que até em países desenvolvidos, o serviço público é ruim; mas prefiro não me concentrar nisso por hora). O serviço público já nasceu fadado a ser uma merda, sempre será uma merda, independente do quanto a população grite, esperneie, exploda ônibus, deprede o patrimônio público ou faça vídeos de protesto no youtube, com direito a atirar os óculos para longe e ficar com a cara vermelha de raiva! 

Daqui a 3 mil anos, o serviço público continuará ruim, os funcionários públicos continuarão fazendo cara de cu, os velhos continuarão se fodendo na fila do hospital e as crianças continuarão recebendo uma merenda ruim pra caralho na escola caindo aos pedaços!


Enquanto as pessoas não cairem na real, continuarão protestando feito umas retardadas por uma causa que já nasceu errada, que nunca dará certo e continuarão tomando muito no cu, enquanto os políticos se entopem de dinheiro público e caem na gargalhada vendo os trouxas fazendo protestinho cuzão.

DESTRUINDO A FALÁCIA "DE GRAÇA, ATÉ INJEÇÃO NA TESTA"


Porque, afinal de contas, o serviço público sempre será uma bosta???

Muita gente vai falar: "Ah, é fácil: o serviço público é ruim por que é de graça".

Errado! Essa resposta está errada duas vezes, e eu vou provar o porquê.

Primeiro: ser de graça não torna as coisas, necessariamente, ruins! 

Por exemplo, o facebook. É gratuito. Vai me dizer que é ruim? O caralho! Aquela rede social oferece hospedagem ilimitada de fotos, vídeos, permite entrar em contato com diversas pessoas sem sair de casa, oferece jogos, permite organizar eventos, criar páginas pra divulgar uma causa, compras, e uma caralhada de coisas que eu não vou me lembrar agora (que eu nem imagino que exista ali dentro).






O youtube é outro serviço gratuito, muito usado por milhões de pessoas no mundo inteiro. Além de gratuito, permite que os usuários ganhem dinheiro com publicidade; permite que anônimos fiquem famosos com maior facilidade; divulgação de causas; as possibilidades são infinitas!



Este blog mesmo está hospedado em um serviço gratuito do google, o blogspot. Pessoalmente, não tenho do que me queixar. O servidor do blogspot não dá pau, permite que pessoas do mundo inteiro leiam o que eu estou divulgando aqui, permite que eu formate o blog do jeito que eu quiser, e até há possibilidade de ganhar algum dinheiro; sem que o google me cobre um centavo pelo serviço.




Existem outros exemplos, tanto na internet quanto no mundo real. Televisão, rádio, e outros serviços gratuitos, e com qualidade crescente.






Por isso, dizer que o serviço público é ruim porque é de graça NÃO É SUFICIENTE! Mas ainda não terminei!!!!







De onde diabos você tirou que o serviço público é gratuito, animal??? Gratuita é a minha pica! O serviço público é muito, mas muito mais caro que qualquer outro serviço que jamais existiu na face da Terra!




Em média, os brasileiros pagam 40% de tudo o que ganham pagando impostos. Eu disse EM MÉDIA! Na verdade, os pobres pagam 75% (SETENTA E CINCO POR CENTO) de tudo o que ganham em impostos! Os ricos pagam, mais ou menos, 35 a 39%!




75%? DE ONDE VOCÊ TIROU ESSE NÚMERO????




Calcule comigo.



Imagina um sujeito que ganha 678 dilmas por mês. De cara, o empregador paga outras 678 dilmas em encargos sociais. Esse dinheiro poderia ser usado para pagar um salário maior para o empregado, mas é usado para pagar imposto!

Só aí, o cara já foi taxado em 50%! Ele poderia estar ganhando 1356 dilmas, mas só ganhou 678!

O problema é que o cara vai torrar todo o dinheiro em comida, roupa e moradia. Em tudo o que ele compra no mercado, o governo está levando 50% em impostos, em média!

Ou seja, desses 678 que ele ganhou, 389 foram gastos com ele e 389 foram para o governo!





Por isso, considerando que ele deveria ter ganho 1356, mas ficou só com 389, eu digo que ele pagou 75% de tudo o que ganhou para o governo, e ficou só com 25%!!!





No caso dos mais ricos, pelo menos eles guardam boa parte do que ganham, e só gastam um pouco para se sustentar. Por isso, no final das contas, eles pagam menos impostos que os pobres.





OK, O SERVIÇO PÚBLICO NÃO É RUIM POR QUE É "DE GRAÇA". ENTÃO, POR QUE DIABOS O SERVIÇO PÚBLICO É RUIM???





O serviço público tem dois problemas graves. O primeiro é que só uma pequena parte dos impostos realmente é usada para financiar serviços públicos. A maior parte do dinheiro dos impostos vira pó!



Resumindo a história, funciona assim (se não entender a figura, explico mais abaixo):



Explicando:

A maior parte do dinheiro dos impostos vai para a dívida do governo. Mais ou menos METADE dos impostos é usada só para pagar dívida, que já passou de 3 trilhões de dilmas!!!

De onde vem a dívida? Ora, do mesmo lugar que vem qualquer outra dívida: o governo gasta mais do que ganha, pega empréstimo para cobrir a diferença e depois paga o empréstimo com juros!

Outra parte dos impostos vai parar no bolso de políticos! Acredite você ou não, o dinheiro que vai parar no bolso dos políticos de forma "honesta" (pelo contracheque) é muito maior que o dinheiro desviado pela corrupção! Por isso que eu digo que protesto contra corrupção é perda de tempo: os políticos embolsam muito mais dinheiro pela via "legal" que pela corrupção!




O valor destinado aos serviços públicos, no final das contas, é irrisório!




Como se não bastasse sobrar pouco dinheiro para o serviço público, ainda tem outro problema que o torna ruim: a falta de incentivos pra melhorar.

Em uma empresa, se há muita gente pra ser atendida, o empresário contrata mais gente, faz obras para aumentar o ambiente e receber mais clientes, porque mais clientes significa MAIS LUCRO.




Só que, no serviço público, mais gente não significa mais lucro. Ao contrário: significa mais ENCHEÇÃO DE SACO; mais PROBLEMAS A SER RESOLVIDOS. Mais STRESS.

Para o funcionário público, quanto MENOS GENTE ele tiver que atender, MELHOR! O ideal seria ele poder ficar o dia inteiro no seu trabalho sem ATENDER NINGUÉM; só de papo pro ar!

Eu nem vou entrar no mérito que funcionário público não pode ser demitido, que não há meios de se reclamar do atendimento público, porque os argumentos postados já são suficientes para mostrar o porquê de o serviço público ser a bosta que vemos. Infelizmente, o sistema foi concebido para ser ruim, e não há absolutamente nada que possa ser feito para que ele se torne bom.







SE O SERVIÇO PÚBLICO SEMPRE SERÁ RUIM, QUAL SERIA A MELHOR SOLUÇÃO?







Não parece óbvio? Se o serviço público é tão ruim, a única solução viável é ACABAR COM O SISTEMA! Extinguir todos os serviços públicos, e reduzir os impostos ao máximo! A verdadeira questão não é resolver o problema do sistema público, porque ele próprio é o problema!

Já que o governo se mostrou incapaz de prover serviços públicos decentes, então que ele páre de cobrar impostos, páre de sustentar esse sistema nefasto e corrupto e que deixe o dinheiro com as pessoas, para que elas próprias decidam o que fazer com ele!

Quer protestar? Quer se organizar politicamente? Então lute por essa causa: pela redução da carga tributária! Pelo fim da maioria dos impostos! Pelo fim dos serviços públicos! E pelo direito de decidir você próprio o que fazer com o SEU DINHEIRO, ao invés de financiar político corrupto!

Enquanto as pessoas não enxergarem este problema, continuarão andando em círculos, protestando contra corrupção, serviços públicos melhores e outras merdas que nunca darão certo! Os políticos corruptos agradecem!

terça-feira, 25 de junho de 2013

Protesto contra a corrupção - coisa de gente imbecil

Muita gente já percebeu que o movimento dos 20 centavos não passa de um monte de retardados, que não entendem porra nenhuma de política, economia e gestão de custos, que se reuniram em torno de uma causa comum: mostrar toda a sua indignação e revolta contra os 20 centavos de aumento das passagens de transporte público. Ônibus depredados, comércios saqueados, cidades inteiras paralisadas sob coação dos manifestantes, pessoas feridas, tudo com o intuito de impedir um reajuste de tarifas usando a força.



Para diminuir um pouco a imagem de retardados que estavam passando, esses manifestantes resolveram agregar outras causas, digamos, mais "relevantes", como a indignação contra a PEC 37 (eles nem sabem do que se trata essa PEC direito), indignação contra as obras da Copa (resolveram protestar só agora, há um ano do evento, animais???) e, como de costume, o combate à corrupção.

De todas as formas que existem para se protestar contra um governo, o protesto contra a corrupção está entre os mais INÚTEIS; diria eu que o protesto dos 20 centavos é mais positivo, já que as tarifas realmente diminuíram em 20 centavos. Enquanto isso, os políticos corruptos simplesmente caem da cadeira de tanto rir dos retardados que saem às ruas clamando pelo fim da corrupção, pintados feito um bando de palhaços, levantando cartolinas com mensagens coloridas do tipo "abaixo a corrupção" escritas a canetinha; alguns carregam a bandeira do Brasil para causar comoção (snif).

Eu posso citar pelo menos cinco motivos que mostram como os protestos contra corrupção são inúteis e, ao contrário do que se imagina, pioram a situação, ao invés de trazer algum resultado. Como de costume, vou tentar resumir os meus motivos ao máximo, na vã esperança de que algum desses retardados leia o texto e acorde para a luz; eu sei que tem muita gente foda que lê esse blog e poderia trazer argumentos fodásticos, com citações históricas e argumentos do mais alto nível; mas, para o bem de todos, vou nivelar a argumentação por baixo.

Os argumentos que eu vou apresentar para mostrar a inutilidade dos protestos são os seguintes:

1 - O valor perdido em corrupção é irrisório
2 - Acabar com a corrupção é impossível
3 - Muitas vezes, a corrupção traz benefícios
4 - Protestar fortalece os grandes corruptos
5 - Os protestos deveriam ser direcionados contra a carga tributária, e não contra a corrupção


Comecemos pelo valor perdido em corrupção.


Neste site, encontrei estimativas (ou seja, ninguém sabe qual é o valor real que a corrupção leva) em torno de R$70 bilhões. Neste outro, a estimativa é de R$85 bilhões. Se for olhar apenas para esta cifra, iremos pensar que os valores são realmente elevados.

O problema é que a dívida pública já está batendo a casa dos R$2 trilhões! Segundo este outro site, a dívida já ultrapassou os R$3 trilhões! E a dívida segue subindo!

Acha mesmo que 85 bilhões, perto de 3 trilhões, é alguma coisa, animal? Não chega a 3% do problema!!!

Estima-se que mais de 30% dos impostos arrecadados sejam usados para o abatimento de juros da dívida pública. Dinheiro este que falta na saúde pública, na educação, na segurança; esta dívida é um dos motivos pelos quais temos impostos escandinavos e serviços africanos.

Outro monstro devorador de impostos é a previdência social. Enquanto os retardados protestam contra corrupção (um mal irrelevante), o monstro da previdência segue crescendo, destruindo recursos públicos e não trazendo nenhum retorno à população (vai me dizer que se aposentar com salário mínimo cuzão é vida).

Protestar contra a previdência ninguém quer, né? Protestar contra a dívida pública ninguém se lembra! Caralho!

Se você quer se meter em política, pelo menos se informe sobre quais problemas estão fudendo de verdade com o país, ao invés de sair na rua feito um retardado imbecil atirando para todos os lados, só para pagar de cult.

.
.
.
.
.


Prosseguindo, vamos falar sobre o porquê acabar com a corrupção é impossível.


Vamos lá: quem fiscaliza a população para que ela ande na linha? O governo. E quem fiscaliza o governo?

.....

Ah, o TCU? Corregedorias? Ministério Público?

Beleza. E quem fiscaliza essas instituições?


.....

Uma fiscaliza a outra, eu acho...


Ok, e o que impede que essas instituições entrem em acordo, para que uma não encubra a corrupção da outra?


......

E aí? Tu realmente acha que existe alguma fórmula infalível para se acabar com a corrupção? O CARALHO! Toda vez que se cria uma instituição, um mecanismo de fiscalização ou a merda que for para impedir corrupção, os filhos da puta dão um jeito de burlar o mecanismo e voltar a roubar MUITO, como se absolutamente NADA tivesse acontecido! E você, mais uma vez, bancou o palhaço e tomou no cu!

Só um exemplo: Cabe ao Senado julgar os ministros do Supremo. E cabe ao Supremo julgar os Senadores. Oh, que legal! Que sistema inteligente e impossível de burlar! Porra!

Por causa deste jogo de gato e rato infinito, eu acredito ser virtualmente impossível acabar com a corrupção. Sempre haverá uma brecha, e sempre haverá pessoas ávidas por roubar. Em todas as esferas da administração pública!

.
.
.
.
.

Um argumento que pode causar estranheza é que corrupção, em alguns casos, é a única forma de se realizar alguns empreendimentos. Parece um argumento em favor da corrupção; na verdade, é um argumento contra o poder governamental de atrapalhar a vida de quem quer produzir.

Explicando melhor: suponha que o alvará para funcionamento das padarias custe algo em torno de R$ 5 mil. Significa que quem não tiver R$ 5 mil em mãos está fora do mercado de padarias. Muita gente que poderia estar trabalhando honestamente está impedida de produzir por causa de uma barreira legal; no mínimo, terá que queimar R$ 5 mil (um dinheiro que faz falta a muita gente) para poder começar a trabalhar.

Se este candidato a padeiro suborna o servidor para obter o tal alvará, e passa a poder trabalhar, pergunto: você acha que este ato foi ruim? Se o padeiro aí do teu bairro fez algo do tipo para poder abrir as portas e te fornecer pão aí perto da tua casa, vc iria condená-lo por isso?

Imagino que algumas pessoas já estejam preparando para me fuzilar nos comentários. Só que essas pessoas deveriam se perguntar primeiro: porque diabos a prefeitura cobra os tais R$ 5 mil só pra conceder o alvará? Qual é a lógica de cobrar de alguém que só quer produzir, caralho? Mais: porque colocar impecilhos de qualquer tipo a quem quer trabalhar de forma honesta, seja lá o setor de atuação da pessoa?

Frise-se aqui que tal ato de corrupção chega a ocorrer por causa da estupidez (para não dizer outra coisa) de quem criou a tal lei que obriga as padarias a terem um alvará de funcionamento. Eles são os principais culpados (senão os únicos) de tais atos de corrupção ocorrerem Brasil a fora.

Enquanto isso, muitas pessoas preferirão não subornar o servidor, ficar sem alvará e trabalhar na ilegalidade; ou, ainda, simplesmente não trabalhar como padeiro e procurar outra forma de ganhar dinheiro. Em outras palavras: ficamos com menos padarias do que poderíamos ter.

Lógico que existem milhares de outras formas de corrupção, além da desenhada acima. Mas, na maioria esmagadora dos casos, a corrupção ocorre ou porque o próprio governo criou uma lei estúpida que está atrapalhando quem quer trabalhar; ou porque entregam a gestão dos recursos nas mãos de uma ou duas pessoas, na esperança de que estas pessoas serão santas e angelicais, e não irão roubar o dinheiro. Se baseiam na bondade humana para criar um sistema infalível, um erro primário.

.
.
.
.
.

Prosseguindo, as pessoas que protestam contra corrupção acham que vão atingir os grandes corruptos com seus protestos. Piada total!

Entenda uma coisa, pequeno gafanhoto: mecanismos de combate à corrupção não servem para derrubar grandes corruptos. Ao contrário: servem para que grandes corruptos coloquem os adversários políticos na cadeia! Os grandes usam a máquina para esmagar os pequenos e ficar mais fortes!

Mais uma vez, não estou aqui defendendo corrupto, seja grande ou pequeno. Estou só expondo os fatos que ocorrem dentro do governo.

Quando um grande corrupto está para ser pego, ou ele queima um de seus "peões" (os testas de ferro), ou faz uma manobra para jogar a batata quente na mão dos adversários! Neste jogo, só quem é pequeno e fraco é que vai se fuder; sempre! E isso com o aval da imprensa, que ajuda a fuder com os pequenos corruptos, e se cala (por medo ou por conveniência) perante os grandes corruptos!

De vez em quando, eles derrubam um grande. Mas isso só acontece quando esse grande não serve mais aos interesses de outros grandes. É mais ou menos essa a forma de se expulsar um membro traidor da gangue. E, quando isso acontece, todo mundo acha que "agora, estamos moralizando a máquina pública"; enquanto os grandes corruptos, verdadeiros responsáveis pela queda daquele corrupto, morrem de rir dos palhaços.

.
.
.
.
.

Por último, o verdadeiro protesto deveria ser aquele que os empresários já fazem há anos: pela redução da carga tributária. Este, sim, é o verdadeiro vilão que deveria ser derrubado a todo custo!

Por causa da carga tributária, nossos salários são achatados e, ao mesmo tempo, os preços de tudo que compramos é, no mínimo, o dobro do que poderiam ser. Sem saber, somos escravizados, empobrecidos e sustentamos um sistema que todos sabem que não funciona.

Pesquisas sugerem que, não fosse a carga tributária, sobraria, em média, R$3 mil por mês para cada família brasileira. Me digam quantos de vocês ganham este valor por mês. A maioria esmagadora dos brasileiros não chega nem perto disso! Sem falar que os preços de tudo que compramos também seria menor!

Alguns podem argumentar que o fim dos impostos significaria o fim dos serviços públicos (saúde pública? previdência oficial? dispenso), o fim dos benefícios sociais (bolsa malandro? bolsa vagabundo? bem que poderia acabar mesmo!) e o fim da democracia (um bando de imbecis alienados decidindo por mim? dispenso!). Outros argumentam que os pobres (que só são pobres por causa dos impostos) não teriam como pagar pelos serviços que o governo oferece (mesmo sabendo que, sem impostos, teriam um poder de compra, no mínimo, quatro vezes maior). Cada um acredita no que quiser.

Eu prefiro acreditar que protestar, explodir ônibus e depredar o bem alheio por causa de 20 centavos é coisa de gente imbecil. Prefiro acreditar que protestar contra as obras da Copa AGORA não adianta mais! 

E, por fim, prefiro acreditar que corrupção está longe de ser um problema nosso! Pagar um imposto extorsivo de 40%, sim, é um problema nosso! Se os governantes usam ou não o dinheiro deste imposto direito, por mim, tanto faz! Já fui extorquido mesmo!