terça-feira, 16 de julho de 2013

Bolsa esmola e seus reais efeitos





Criar um programa social com o objetivo de ajudar os mais pobres é algo que atrai muitos votos, além de tranquilizar a consciência dos mais ricos (fiz a minha parte, ui). É muito fácil montar todo um esquema para, simplesmente, tomar dinheiro de algumas pessoas, segurar uma parte para si e depositar o resto na conta de outras e dizer que, no final das contas, houve "justiça social". Afinal, como eles dizem, tudo foi feito com "a melhor das intenções": DIMINUIR A POBREZA.

Só que, de boas intenções, O INFERNO ESTÁ CHEIO. Não interessa se o seu coração está cheio de amor para dar, se você sente pena daquele papeleiro que cata lixo de porta em porta, ou daquele vendedor ambulante que sai para a rua de chinelo de dedo de sol a sol (coitadinho dele); o que importa, mesmo, é QUAL O RESULTADO que suas ações provocaram na vida dele e de toda a sociedade. O resultado, e não a intenção, é o que conta. Não vivemos de intenções; vivemos de comida, roupas, moradia, transporte e lazer.

Considerando este fato, de que o resultado, e não a intenção, é o que importa, podemos analisar com mais calma e realismo os programas sociais do tipo bolsa-esmola, para ver se são realmente úteis à sociedade, ou se são só mais uma forma de se ganhar votos, mantendo tudo como sempre esteve.



E qual é o resultado do bolsa-esmola?




Bem, o primeiro resultado é premiar pessoas que não estão produzindo nada; ou, pelo menos, que estão produzindo algo que a sociedade não considera útil! Quando o governo paga uma bolsa esmola a alguém, em outras palavras, ele está pagando àquela pessoa para continuar naquela situação, sem produzir algo que a sociedade precisa naquele momento.


Significa dizer que menos pessoas estarão produzindo itens necessários e urgentes, como roupas, calçados, comida, limpeza, material escolar e outros. Enquanto uma legião de pessoas, sustentadas por bolsa esmola, produzem apenas LIXO INÚTIL, outras pessoas tentam se virar para produzir bens necessários a todo mundo.

Resultado disso? Nós já vimos no texto das maçãs. Se a quantidade de arroz disponível cai, o seu preço SOBE, exatamente porque NÃO TEM ARROZ PRA TODO MUNDO! ALGUÉM VAI TER QUE FICAR SEM ARROZ; e a única forma de selecionar quem vai ficar sem arroz é AUMENTANDO O PREÇO! Os mais pobres, claro, é que irão pagar o pato!

O mesmo se aplica ao feijão, carne, roupas, limpeza, e todo o resto!

De uma vez por todas, vê se aprende: quando o preço de qualquer produto está alto, é porque este produto está com estoque baixo; não tem quantidade suficiente deste produto pra todo mundo. Esta regra vale pra absolutamente tudo! Claro que existe a influência dos impostos; mas o que realmente joga o preço de qualquer coisa para cima é sua falta no mercado!

E o que faz com que a quantidade de um produto qualquer diminua? Existem várias razões menores; mas o motivo principal é que tem POUCAS PESSOAS PRODUZINDO AQUELE PRODUTO. A quantidade de pessoas produzindo é insuficiente pra atender a todos. Se tivesse muita gente produzindo, aí teríamos aquele produto em quantidade suficiente pra todo mundo, o que jogaria o preço lá embaixo.

É justamente aí que o bolsa esmola entra pra ferrar com o processo. Por causa dele, as pessoas continuarão a produzir lixo, ao invés de produzir aquilo que realmente está fazendo falta. Elas perderam o incentivo para migrar para atividades urgentes, e se acomodarão na dependência do bolsa esmola.



Resultado disso: preços da cesta básica mais altos. Preços do vestuário mais altos. Preços de absolutamente tudo mais alto! 



Agora, pense comigo: imaginemos que a cesta básica esteja em R$400,00 por mês, só pra exemplificar. Para um sujeito que ganha R$10 mil mensais, R$400,00 não fazem lá muita diferença. Até mais ou menos R$6 mil, R$400 de cesta básica ainda quebra o galho.

O problema da cesta básica de R$400,00 é justamente para quem está ganhando R$600,00; R$800,00; R$1,2 mil por mês. Para estes fulanos, R$400,00 só de comida é um verdadeiro rombo no orçamento!

Se a cesta básica aumentar para, digamos, R$550,00, aí veremos muita gente sair da pobreza para entrar na classe dos MISERÁVEIS. São exatamente estes (os mais pobres) quem irão se fuder de verde e amarelo com o aumento dos preços. Os mais ricos vão segurar o tranco, porque têm "gordura pra queimar".





Resumindo: o bolsa esmola é uma tentativa imbecil de diminuir a pobreza. O resultado do bolsa esmola é exatamente PREÇOS MAIS ALTOS E MAIS POBREZA!










E como se combate a pobreza, espertalhão?










Não te parece óbvio? Pobreza se combate BAIXANDO OS PREÇOS DOS PRODUTOS! É a única forma eficaz de se fazer com que um país realmente prospere.

E preços só baixam se houver MAIS PESSOAS PRODUZINDO AQUILO QUE A SOCIEDADE PRECISA. Quanto mais pessoas produzirem bens necessários, menores serão os preços.

E as pessoas só produzirão bens necessários se, entre outras coisas, o governo NÃO ATRAPALHAR quem já está produzindo, e NÃO INCENTIVAR as pessoas a continuarem produzindo lixo! Menos burocracia para se abrir empresas, menos impostos, menos leis estúpidas, menos populismo!







Porém, este tipo de discurso não ganha votos, não é mesmo? Explicar economia para gente ignorante significa ganhar inimigos gratuitos, dor de cabeça e encheção de saco. Bonito é pregar "justiça social" tomando dinheiro dos outros. Bonito é dizer que está agindo "com a melhor das intenções" e "dormir com a consciência tranquila". Bonito é falar mal de gente rica, como se a pessoa que está falando não daria tudo para estar no lugar deles. Isso tudo me deixa puto e acaba com a minha vida; arrombados!

Nenhum comentário:

Postar um comentário