segunda-feira, 10 de junho de 2013

Casamento é pra idiotas.


Pessoal, eu fiz uma tradução rápida de um artigo em inglês sobre os motivos a favor do "marriage strike", do porquê não vale a pena investir nessa porcaria (pelo menos não hoje).

A fonte é o site:

Eu achei esse artigo naquele enoooooooorme chamado A BOLHA MISÂNDRICA:

************

Você está aqui porque pensa em se casar. Um amigo te fez um favor, e mandou você visitar este artigo. Se você será o parceiro que ganha mais no casamento, não pode deixar de ler o que tenho a dizer.

Antes de investir sua vida num casamento, tem alguns detalhes que você precisa estar ciente. A instituição do casamento como conhecíamos não existe mais. Passou por mudanças drásticas nos últimos 50 anos. O que antes era um compromisso pra vida toda, com votos inquebráveis mesmo nas circunstâncias mais severas, foi "relegislado" em algo inteiramente novo graças aos esforços/lobby de feministas radicais e a indústria do divórcio. No esforço de tornar o divórcio menos penoso para donas de casa e esposas que ganham menos, as más incluídas, simplesmente tornaram o casamento "inseguro" para virtualmente todo mundo.

O casamento hoje é uma união temporária de dois indivíduos onde os custos para sair são altamente desiguais. O que isso significa? Significa que após a dissolução do casamento, um parceiro vive como um bandido, enquanto o outro é forçado a uma vida de pobreza interminável, direitos civis negados, e a dois cheques de distância de um calote, desacato à lei, prisão.

Se se força alguém a sofrer assim após um divórcio, você deve achar que essa pessoa mereceu. Talvez ela tenha sido um parceiro ruim? Talvez ela tenha traído? Ah, mas se fosse sempre assim...

O "Karma" não tem nada a ver com isso. Era assim na "antiguidade" nos divórcios "com-causa" quando o parceiro tinha provocado o fim do casamento e era penalizado durante o divórcio. Nesses divórcios antigos, se a parte que errou era a que ganhava mais, era forçada a pagar pensão e ceder vários bens do casamento para a outra, que era a "vítima".

Similarmente, se a parte culpada era dona de casa ou ganhava menos, também tinha de ceder uma pensão e forçada a aceitar uma pequena parte dos bens do casamento.

A moralidade era um grande fator em quem se deu bem e quem se deu mal.

O CASAMENTO 2.0

Durante a segunda metade do século 20 todas as regras que governavam o casamento mudaram. As leis foram modificadas a tal ponto que não podemos mais chamar de "casamento", como foi conhecido pelo milênio. Temos que distinguir essa mutação da instituição com um novo nome. Vamos chamar de CASAMENTO 2.0.

Hoje todo esse negócio de moral está fora da equação. Basicamente o parceiro que ganha mais sempre tem culpa (ou seja, é forçado a ceder seus bens e pagar pensão), e aquele que ganha menos é sempre o "inocente" (quer dizer, obtém a maioria dos bens e uma parte dos futuros salários do ex). Não importa se o parceiro que ganha menos era aquele que estava tendo um caso ou se é quem está pedindo o divórcio.

Aí é onde reside o problema com as leis modernas de família. Você pode ser o melhor provedor do mundo, tomar mesmo conta da sua família, e permanecer fiel aos votos do casamento, e ainda assim tomar um pontapé no meio do cu no divórcio. É uma aposta perdedora para o mocinho (ou mocinha).

Eis uma lista de coisas conspirando contra você, quando você é o principal provedor dentro do Casamento 2.0, e seu parceiro decide sacar (ops, sair) fora do relacionamento com você:

1. As mulheres é que dão entrada na maioria dos divórcios. 66-75% de todos os divórcios são pedidos pelas esposas. Publicações como a "Cosmo" adoram espinafrar homens por terem "medo de compromisso". Os rapazes precisam se perguntar, de que adianta se comprometer quando a outra parte é que é incapaz de aderir ao compromisso 3/4 do tempo?

2. Divórcio Unilateral - Também conhecido como divórcio sem culpa, sem recurso para o outro parceiro no casamento. Não há nada que você possa fazer legalmente falando para interromper um divórcio.

3. Fraude de Violência Doméstica : As leis de divórcio que presumem a culpa até a prova da inocência são agora largamente usadas como o "movimento de abertura no xadrez" de vários divórcios. Uma vez que o marido é removido da sua residência ele nunca retorna, e ela obtém a mesma na divisão de bens. Também conhecido como Legislação Federal VAWA, essa nova lei inconstitucional tem sido indevidamente utilizada para cometimento de fraudes por parceiras que se divorciam desde que veio à tona. Não há leis equivalentes para proteger homens em situações abusivas.

4. Descriminalização do Adultério - O adultério não é mais crime. Porém, deixar de pagar pensão pra uma esposa adúltera é. Tire suas próprias conclusões.

5. Perdendo a Guarda das Crianças - A guarda de crianças é quase sempre dada ao parceiro que ganha menos nos tribunais. Quando você lê por exemplo aquele caso de Outubro de 2009 onde a mãe de um garotinho foi presa por prostituição e seu pai com emprego estável ainda assim teve a custódia negada, entende rapidamente como funcionam esses "dados viciados".

6. Não-execução de Direitos de Visita - Os Estados forçam os pais que não tem a guarda dos filhos a não deixar de pagar a pensão com uma eficácia impressionante, porém não levantam um dedinho que seja para forçar o outro lado a cumprir sua parte no acordo, que é respeitar os direitos de visita de pais que não tem a guarda dos filhos. Se você irá policiar a obrigação de um parente de pagar, por que não fazer o mesmo com o outro para que permita o acesso regular às suas crianças?

7. Crianças como máquinas de fazer dinheiro - A Organização Nacional para Mulheres (em inglês, NOW) tem feito lobby ostensivo contra leis de guarda compartilhada em vários estados. Por que a NOW faria isso? Quer igualdade maior que guarda compartilhada?

Mas sabe qual o motivo? É que o que move a NOW não é mais a igualdade, e sim um jogo de soma zero * para obtenção de recursos. Crianças são máquinas de fazer dinheiro, e é óbvio que a NOW não permitiria que a guarda compartilhada ameaçasse a possibilidade de entrar mais e mais grana.


8. Pensão sem-culpa - Em vários estados, a culpa não é mais um fator para garantir uma pensão. Então agora temos vários casos de "o parceiro A traiu, mas o B paga". Em qual outra área de contratos legais a parte que quebra o contrato ainda assim é paga, e a inocente é punida? Somente no Casamento 2.0!

9. Pensão Unilateral: OK, a ex-mulher se acostumou a viver com um certo padrão, então o ex-exposo irá pagar a pensão. Beleza. Mas e quanto às coisas que o ex-esposo também tinha? Será que homens tem direito a se "acostumarem" a qualquer coisa, também? Se não, por que? Não deveria haver um pagamento inverso de pensão, recíproco, pela ex-mulher, na forma de limpeza semanal da casa, cozinhar alguma coisa 7 noites por semana, e serviços de "acompanhante" para o ex?

Peraí, como é que um parceiro é forçado a prover coisas que o outro se acostumou durante o casamento, e o outro não é obrigado a porra nenhuma?

Assista o vídeo do Chris Rock:



10. Pensão Eterna - Ao contrário da crença popular, a pensão não está morrendo. Houve um período nos anos 1970 em que surgiram leis que eximem de culpa quando alguns estados impuseram limitações em como/quando isso poderia ser dado. Porém, desde então, entidades concentraram seus esforços, como por exemplo, a American Law Institute (ALI) para que a pensão retornasse MESMO.

Aqui você pode ler um artigo do New York Times:


Cobrindo o lançamento de uma publicação de 2002 da "ALI" que recomendou uma maior abrangência de frutos de pensão por volta de 50 estados. Há relatos agora de histórias de horror de vários estados onde parceiros provedores são obrigados a pagar pensão pro resto da vida:


Também há casos como esse artigo do Wall Street Journal:


Onde casos de divórcio concluídos há muito tempo são reabertos e modificados pelos novos paradigmas a favor da pensão. Paul Taylor, mencionado na história do WSJ, foi levado ao tribunal pela sua ex-esposa em 2009, 3 décadas após o divórcio original de 1982, quando ambas as partes concordaram em ceder toda e qualquer pensão passada, presente e futura. A corte reverteu o julgamento original de 1982 e concedeu pensão eterna à ex-esposa. Foi decidido que essa nova pensão fosse deduzida da pensão de Paul Taylor e paga mensalmente a uma mulher que ele nem mesmo viu por 3 décadas. O Sr. Taylor agora foi à falência e está passando seus anos dourados trabalhando como atendente no Wal-Mart.

11. Fraude de Paternidade - Se você não se ligou a tempo que seus filhos não são realmente seus, mas ao invés disso, foram "gerados" por algum rapaz que sua mulher teve um caso, você está sem sorte na maioria dos estados. O que é pior é que se a esposa que te traiu se divorcia de você, mesmo com o exame de DNA levado na justiça, ainda assim você será forçado a pagar 18-23 anos para sustentar essas crianças que são de outro cara.

Como neste caso:


De um homem de Toronto que foi forçado a pagar pensão para gêmeos que mesmo a corte reconheceu que não eram dele, mas mesmo assim o ordenou a continuar pagando. Em nenhuma outra área legal se pune vítimas inocentes pelas condutas de duas outras pessoas.

Mais chocante ainda é este artigo do New York Times:


Sobre um homem da Pensilvânia que foi obrigado a continuar pagando pensão pra sustentar uma criança após sua esposa adúltera se divorciou dele, e casou com o mesmo homem que ela teve o caso e do qual teve o filho.

Hoje o pai biológico, a ex-esposa, e o filho biológico vivem juntos em um único teto como uma família biológica intacta e adivinha quem ainda está pagando a eles mensalmente pra sustentar a criança? 

Sim, o corno do ex-marido ainda tem que pagar todo mês ou vai em cana. Dá pra acreditar? Mesmo pornografia com cuckboys não chega a tamanha vilania.

Conclusão

O Casamento 2.0 é um contrato desigual onde o equilíbrio do poder legal tanto entre o casamento como após o divórcio é altamente viciado contra o principal proedor. Tendo em vista que essa é a realidade das leis de hoje, por que você deveria assinar um contrato tão unilateral? Simplesmente não há benefícios em casamento para o provedor principal pelas regras da versão 2.0.

Nenhum mesmo. Se pergunte agora: "Eu vou ganhar o quê com isso"? Se tudo que eu escrevi acima não lhe convenceu a evitar essa metamorfose institucional que virou uma enorme armadilha legal, então você deve continuar aprendendo mais sobre os riscos de dizer "Eu aceito".

Um bom lugar pra começar a aprender mais é visitando o blog "Não Se Case" (Don't Marry).


Também veja mesmo esse artigo explicando os motivos do casamento ser uma fraude:

Nenhum comentário:

Postar um comentário